Temer e Macri pedem 'flexibilização' do Mercosul

Presidentes também falaram sobre crise na Venezuela e Malvinas

Michel Temer e Mauricio Macri se reúnem em Buenos Aires
Michel Temer e Mauricio Macri se reúnem em Buenos Aires (foto: EPA)
13:11, 04 OutSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Em visita à Argentina, o presidente Michel Temer defendeu a "flexibilização" das regras do Mercosul para fortalecê-lo como instituição e garantir a formalização do acordo de associação com a União Europeia.

 

Ao lado do mandatário argentino, Mauricio Macri, o peemedebista disse que há uma concordância entre os dois países para "aperfeiçoar" a zona de livre comércio. Em comunicado conjunto, Temer e Macri se comprometeram ainda em definir uma agenda para "consolidar" a união aduaneira e "potencializar" o desenvolvimento dos países que a integram.

 

As negociações entre Mercosul e União Europeia começaram no fim da década de 1990 e tiveram uma troca de ofertas em 2004, mas pouco avançaram desde então. Em seu encontro em Buenos Aires, os presidentes de Brasil e Argentina reiteraram o caráter estratégico da "inserção competitiva" do bloco sul-americano no comércio internacional, ampliando sua rede de tratados.

 

"Nesse contexto, congratularam-se pelo processo de coordenação bilateral cada vez mais estreita, em particular no tocante às negociações do Acordo de Associação entre o Mercosul e a União Europeia", diz uma nota sobre a reunião divulgada pelo Itamaraty. Além disso, eles falaram em intensificar as tratativas com países como Canadá, Coreia do Sul e Índia.

 

Venezuela

 

Temer e Macri também manifestaram preocupação com a crise política e econômica na Venezuela, e o presidente do Brasil lembrou que Caracas tem até 2 de dezembro para cumprir os requisitos necessários para sua integração definitiva ao Mercosul.

 

"Pelo menos do lado brasileiro, nós temos alguma preocupação com a preservação dos direitos políticos e dos direitos humanos na Venezuela", ressaltou o peemedebista. Já o chanceler José Serra, que acompanhou Temer na viagem, disse que uma ajuda do Vaticano, de Cuba e dos Estados Unidos na crise venezuelana seria "bem-vinda".

 

Recentemente, o papa Francisco enviou ao presidente Nicolás Maduro uma carta pedindo "diálogo" entre chavistas e oposição, enquanto a Santa Sé se ofereceu como mediadora entre os dois lados, sob a condição de que ambos façam um convite formal.

 

Malvinas

 

No encontro bilateral na Casa Rosada, Temer ainda manifestou apoio à histórica causa argentina pela posse das Ilhas Malvinas, pertencentes ao Reino Unido. Segundo o mandatário brasileiro, Buenos Aires tem "legítimos direitos" na disputa com Londres pelo território. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA