Centenas de argentinas fazem 'tetazo' após censura a topless

Ato reuniu centenas de pessoas em Buenos Aires e outras cidades

Centenas de argentinas fazem 'tetazo' após censura a topless (foto: EPA)
14:36, 08 FevSÃO PAULO ZAR

(ANSA) - Centenas de mulheres se reuniram nesta terça-feira (7) perto do Obelisco, um dos principais símbolos de Buenos Aires, na Argentina, para realizar um protesto em favor ao direito das mulheres de fazerem topless e mostrarem seus seios nas praias do país.

O "tetazo", que era uma manifestação a favor da "soberania dos corpos", contou com centenas de argentinas com os seios descobertos ou apenas de soutien e também foi realizado em outras cidades, como Rosario, Mar del Plata e Córdoba.

O protesto foi organizado por ativistas feministas depois que uma patrulha policial proibiu três mulheres de exibirem os seios e continuarem fazendo o seu topless na praia de Necochea, a cerca de 500 quilômetros ao sul de Buenos Aires.

A abordagem dividiu o público da praia, sendo que parte dos banhistas criticou a ação, mas outra parte apoiou os agentes de polícia e hostilizaram as mulheres que estavam com os seios à mostra. O caso foi levado à Justiça e analisado pelo magistrado Mario Juliano, do Tribunal Criminal 1. Apesar de arquivar o processo por "falta de relevância", o juiz escreveu um texto, em primeira pessoa, publicado em jornais locais, defendendo as mulheres.

"A defesa irrestrita das liberdades me leva a tomar uma posição a favor das mulheres que decidiram descobrir seus seios", disse. No entanto, o "tetazo" não foi apoiado por todos. No meio da manifestação, mulheres começaram a gritar palavras de ordem contra homens que estavam no local não para protestar, mas sim para ver os seis nus das mulheres.

"É muito forte que nós convocamos um 'tetazo' e que os primeiros a chegar são homens, não para apoiar a causa, mas sim para olhar. Isso diz muito da nossa sociedade", disse Grace Brounosti Piquet, uma das manifestantes no ato, ao jornal "La Nación".

Além disso, a atriz e ativista Mariana Pizarro teve sua conta do Facebook bloqueada pouco após ter publicado uma foto sua apoiando o "tetazo" na na parcela argentina das Cataratas do Iguaçu. Na imagem, Mariana aparecia com os braços para o alto e seus seios descobertos. "Trata-se de um verdadeiro ato de censura. Eu utilizo esse sistema por razões profissionais. Eu fiz o 'topless' em Iguaçu solidariamente com as meninas de Necochea, como aconteceu em toda a Argentina", disse Marina à publicação. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA