Macri enfrenta 1ª greve geral na Argentina

Paralisação deixou o trânsito caótico em várias cidades

Macri enfrenta 1ª greve geral na Argentina
Macri enfrenta 1ª greve geral na Argentina (foto: Ansa)
16:55, 06 AbrSÃO PAULO ZAR

(ANSA) - O presidente da Argentina, Mauricio Macri, começou a enfrentar nesta quinta-feira, dia 6, a primeira greve geral no país desde que o mandatário assumiu o poder.

A paralisação, que começou à meia-noite desta quinta e que irá durar 24 horas, foi convocada pelas duas maiores centrais sindicais argentinas e pelos professores da rede estadual, além de ter sido aderida por várias outras organizações. Os trabalhadores argentinos reclamam do modelo econômico neoliberal do atual chefe de Estado.

Desde o começo da greve, poucos ônibus circulavam nas ruas das principais cidades na nação latina e outros meios de transporte público também diminuíram o fluxo.

Em cidades como Buenos Aires, o tráfego de caminhões que fazem trajetos pelos principais setores portuários ficou bem menor do que de costume e as ruas ficaram completamente lotadas de carros e táxis, gerando um grande caos no trânsito.

 

 

Por isso, o governo da província de Buenos Aires decretou que os pedágios e os estacionamentos públicos serão gratuitos nesta quinta, medida para tentar incentivar com que os trabalhadores compareçam aos seus empregos com seus próprios veículos.

Em dois dos principais aeroportos do país, o Ezeiza e o Aeroparque, a companhia aera Aerolíneas Argentinas também cancelou seus voos nacionais e internacionais devido à greve.

Os trabalhadores dos sindicatos CTA (Central dos Trabalhadores da Argentina) e CGT (Confederação Geral do Trabalho) convocaram a paralisação porque querem a implantação de medidas eficientes para baixar a inflação e a fixação do crescimento dos salários de várias categorias de acordo com esse índice.

Os argentinos também estão protestando contra a pobreza, cuja porcentagem passou para 32% desde que Macri assumiu a Presidência, e contra o desemprego, que desde o resultado nas últimas eleições aumentou dois pontos percentuais. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA