Principal repressor da ditadura argentina morre aos 90 anos

Menéndez foi condenado por crimes contra a humanidade

Principal repressor da ditadura argentina morre aos 90 anos (foto: ANSA)
14:25, 28 FevBUENOS AIRES Por Alicia Rinaldi

(ANSA) - Luciano Benjamín Menéndez, com recorde mundial de condenações por cometer crimes contra a humanidade, morreu nesta quarta-feira (28) aos 90 anos, em um hospital militar em Córdoba, no centro da Argentina.
   

O repressivo estava sob prisão domiciliar quando foi hospitalizado por causa de um problema cardíaco, enquanto aguardava dois julgamentos em que foi acusado de crimes cometidos durante a ditadura (1976 - 1983).
   

Condenado por desaparecimentos, assassinatos, tortura, estupro e roubos de bebês, Menêndez ficou conhecido como um ideólogo do "pacto de sangue". Conforme exigido pelas organizações de direitos humanos, a justiça indiciou ele em cerca de 800 casos pelos vários crimes cometidos.

Na província de Córdoba, se encontrava o centro de detenção clandestino La Perla, onde 2.500 detidos passaram. Segundo testemunhos de alguns sobreviventes, Menéndez viu execuções, interrogatórios e sessões de tortura.

No ano de 1990, foi beneficiado pela lei de Pardon durante a presidência de Carlos Menem (1900-2000). Mas a declaração de inconstitucionalidade da graça pela Suprema Corte, em 2005, abriu a porta para a primeira sentença perpétua, em 2008, por crimes contra a humanidade e por atirar em quatro ativistas do Partido Revolucionário de Trabalhadores (PRT) detidos em La Perla.

Menéndez recebeu a sua última prisão perpétua em 2016, em San Luis, por 29 atos de privação de liberdade abusiva e agravada, e 11 homicídios qualificados. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en