Julgamento de Cristina Kirchner será retomado em 27 de maio

Ex-presidente da Argentina é acusada de corrupção

Cristina Kirchner acompanha audiência de seu julgamento
Cristina Kirchner acompanha audiência de seu julgamento (foto: EPA)
20:28, 21 MaiBUENOS AIRES ZLR

(ANSA) - O julgamento por suposta corrupção contra a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner teve sua primeira audiência nesta terça-feira (21), em meio a uma turbulenta campanha eleitoral no país.

A atual senadora da coligação Unidade Cidadã e candidata a vice-presidente na chapa de Alberto Fernández é acusada de ter liderado um esquema criminoso para beneficiar o empresário Lázaro Báez, amigo da família Kirchner, em contratos para obras públicas.

A ex-mandatária chegou ao tribunal por volta de meio-dia, acompanhada de seu advogado, Carlos Beraldi. A leitura da causa começou às 12h28 e durou quase três horas. Às 15h, a corte suspendeu o julgamento até a próxima segunda-feira (27).

O tribunal é formado pelos juízes Jorge Gorini, Rodrigo Giménez Uriburu e Andrés Basso. Os promotores do caso, Gerardo Pollicita e Ignacio Mahiques, acusam a ex-presidente de ser "chefe de uma associação ilícita" criada após a posse de seu falecido marido, Néstor Kirchner, para "subtrair fundos públicos em benefício de Lázaro Báez".

A senadora acompanhou a leitura das acusações enquanto dialogava com seu advogado e olhava seu celular. "Em algumas horas, começará um julgamento no qual eu jamais deveria ser citada", escreveu Kirchner no Twitter, antes de chegar no tribunal.

"Trata-se de um novo ato de perseguição com um único objetivo: colocar uma ex-presidente de oposição no banco dos réus em plena campanha presidencial", acrescentou a ex-mandatária, que abdicou da candidatura à sucessão de Mauricio Macri. Ela será vice na chapa de Alberto Fernández, seu ex-chefe de Gabinete.

Mesmo se for condenada, Kirchner dificilmente será presa, ao menos até 2021, quando termina seu mandato de senadora, o que lhe garante imunidade parlamentar. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA