Argentina pede mais prazo para pagar empréstimo do FMI

Empréstimo de US$ 56 bilhões deveria começar a ser pago em 2021

Presidente da Argentina, Mauricio Macri
Presidente da Argentina, Mauricio Macri (foto: ANSA)
08:21, 29 AgoSÃO PAULO ZBF

(ANSA) - Após mais um dia instabilidade econômica, o governo da Argentina anunciou nesta quarta-feira (28) que pediu ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que revise os prazos de vencimento de um empréstimo de US$ 56 bilhões, que deveria começar a ser pago em 2021.
   

O governo ainda anunciou que pretende estender suas dívidas de curto prazo com pessoas jurídicas, como bancos e seguradoras, que detém 10% desses papeis. Pessoas físicas, que detém 90% da dívida de curto prazo, não serão afetadas.
   

"A prioridade hoje é garantir estabilidade porque é inútil lançar medidas de reativação se não houver estabilidade", disse o ministro da Fazenda, Hernan Lacunza, que assumiu o cargo na semana passada.
   

Pela proposta do governo argentino, as dívidas de curto prazo com pessoas físicas serão pagas integralmente. Já as dívidas de curto prazo com pessoas jurídicas serão pagas com a seguinte fórmula: 15% no vencimento, 25% após três meses do vencimento, e 60% após seis meses do prazo original.
   

Por fim, as dívidas de longo prazo no exterior, como o empréstimo cedido pelo FMI, serão refeitas, com um pedido de ampliação de prazo. Neste caso, a adesão dos credores é voluntária, segundo o governo argentino.
   

O ministro Lacunza ainda estimou que as negociações com FMI podem começar ainda sob o mandato do presidente Mauricio Macri, mas terminarão "inexoravelmente" no mandato do próximo governo, que vai começar em 10 de dezembro. O ministro das Finanças disse, no entanto, que a abertura do diálogo não altera o cumprimento das metas atuais já fechadas com o Fundo.
   

Contextualização A Argentina vem passando por uma forte turbulência financeira, com depreciação superior a 20% do valor do peso e aumento do risco-país. O quadro se agravou após o presidente Mauricio Macri sofrer uma derrota nas eleições primárias de 11 de agosto para o candidato kirchenerista Alberto Fernández.
   

Nesta quarta-feira, a cotação do dólar superou os 60 pesos, apesar de o Banco Central argentino colocar à venda mais de US$ 350 milhões. Já o risco-país disparou mais de 2.100 pontos.
    Fonte: Agência Brasil (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA