Chega a 12 o número de mortos por causa de forte chuva em SP

Região do ABC foi uma das mais afetadas pelo temporal

Chega a 12 o número de mortos por causa de forte chuva em SP
Chega a 12 o número de mortos por causa de forte chuva em SP (foto: Agência Brasil)
18:20, 11 MarSÃO PAULO ZCC

(ANSA) - O Corpo de Bombeiros atualizou para 12 o número de mortos em razão da forte chuva que atingiu a Grande São Paulo na madrugada e manhã de hoje (11). Foram quatro mortes em Ribeirão Pires e um em Embu das Artes por causa de deslizamentos, três em São Caetano, dois em Santo André, um em São Bernardo e um em São Paulo, por afogamento. Também foram registrados seis feridos.

A 12ª morte foi um homem encontrado em um córrego na Avenida Engenheiro Olavo Alaisio de Lima, em Santo André.
O Corpo de Bombeiros atualizou também os acionamentos à corporação em razão das chuvas. Desde a 0h até as 16h20, foram 123 ocorrências de quedas de árvores, 94 desmoronamentos e desabamentos e 740 chamados por enchentes e alagamentos.

A Defesa Civil informou, por meio de nota, que o número de desabrigados ainda está sendo contabilizado pelos municípios atingidos.

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), das 19h de domingo até as 7h de hoje (11), choveu 57,8 milímetros (mm), o que corresponde a 32,6% do volume esperado para todo o mês de março, que é de 177,4 mm. O volume acumulado no mês é de 160,8 mm, 90,6% do esperado.

Comitê de Emergência –

A prefeitura de São Paulo criou um comitê de crise para avaliar os impactos e tomar as medidas necessárias após intensas chuvas que atingiram a capital paulista.

O prefeito em exercício Eduardo Tuma disse que a situação ocorrida nesta madrugada foi “absolutamente imprevisível”. Farão parte do comitê de gestão de crise os seguintes órgãos: secretarias de Governo, Segurança Urbana e de Subprefeituras, o Gabinete do Prefeito e a Secretaria Especial de Comunicação. O prefeito Bruno Covas, que estava de licença não remunerada, informou que retornará amanhã (12) às suas atividades.

Ainda nesta tarde os integrantes do comitê visitarão as regiões mais afetadas. São Paulo chegou a ter 56 pontos de alagamento desde 18h de domingo (10), sendo 30 deles intransitáveis, segundo dados do CGE. Às 15h, apenas três pontos permanecem intransitáveis: um em Pirituba, zona oeste, e dois na Vila Prudente, zona leste. Houve transbordamento dos córregos Ipiranga, dos Meninos, Tamanduateí, Aricanduva, Rio Verde, Oratório, do piscinão Guaramiranga e do Rio Tietê.

Equipe da Assistência Social da prefeitura iniciaram o cadastramento de desabrigados, mas não foi informado o número de pessoas afetadas pelas chuvas. Equipe de outras regiões da cidade foram deslocadas para o bairro Ipiranga, uma das áreas mais atingidas. A secretaria está com pontos de apoio no Centro Educacional Unificado (CEU) Heliópolis e Meninos e Clube da Comunidade (CDC) Barão de Resende. Segundo a prefeitura, as famílias estão recebendo kits de higiene pessoal,kits de limpeza, lanches, colchões, cobertores e cestas básicas.

Deslocamentos -

O trânsito na capital ficou carregado na manhã desta segunda-feira. O rodízio de carros foi liberado e o pico de congestionamento foi registrado às 10h30 com 180 quilômetros de filas. O recorde deste ano ocorreu no dia 4 de fevereiro às 9h30, com 202 quilômetros. As falhas em semáforos também complicaram a vida dos motoristas em algumas vias. Foram registrados 25 equipamentos apagados por falha, 11 em amarelo intermitente e quatro apagaram por falta de energia elétrica.

A prefeitura informou que a operação de ônibus está em gradativa normalização. No início da manhã a circulação do Expresso Tiradentes foi interrompida devido a alagamento na Avenida do Estado. A operação foi parcialmente retomada a partir das 7h10.

A operação Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese), que coloca ônibus extras gratuitos para os usuários do transporte público, foi acionada na madrugada a pedido da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), entre as estações Santo Amaro e Granja Julieta. Nesta tarde, a linha 10 Turquesa da CPTM continua paralisada, sem previsão de retorno, por causa de alagamento.

Alguns ônibus ficaram ilhados na Avenida do Estado e na região de Vila Prudente. Por causa dos alagamentos, ônibus de oito linhas estão impedidos de circular pela Marginal Tietê, abaixo da Ponte das Bandeiras, e fazem desvios pela Rua Voluntários da Pátria, Rua Santa Eulália e Avenida Santos Dummont. A saída de frota das empresas Imperial e Movebuss, nos bairros Cambuci e Vila Alpina, respectivamente, também foi afetada.

Previsão -

São esperadas chuvas intermitentes nesta tarde, mas com menor intensidade, segundo previsão do CGE. O órgão destaca que o solo encharcado mantém potencial para deslizamento de terra em áreas de risco e formação de alagamentos. A temperatura hoje não deve ultrapassar 25ºC.

Para esta terça-feira (12), a previsão é sol entre nuvens pela manhã e sensação de tempo abafado. Durante a manhã são esperadas pancadas isoladas de chuva e devem se intensificar entre a tarde e o início da noite. Permanece o risco de transbordamento de rios e córregos, bem como a formação de alagamentos intransitáveis e deslizamentos de terra em áreas de risco.

Na quarta-feira (13), o cenário é parecido, com chuvas entre o meio da tarde e o início da noite, com pancadas de forte intensidade. A umidade do ar permanece alta com os menores índices acima dos 60%.  Fonte: Agência Brasil (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA