Instagram oculta postagem de Bolsonaro com informação falsa

Mensagem trazia "fake news" sobre mortes no Ceará

Bolsonaro tem minimizado gravidade da pandemia do novo coronavírus
Bolsonaro tem minimizado gravidade da pandemia do novo coronavírus (foto: EPA)
08:27, 12 MaiSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O Instagram ocultou uma publicação postada pelo perfil do presidente Jair Bolsonaro que disseminava informações falsas sobre a pandemia do novo coronavírus no Ceará.

A mensagem havia sido publicada inicialmente pelo deputado estadual André Fernandes e dizia que o Ceará registrara mais mortes por doenças respiratórias entre 16 de março e 10 de maio de 2019 (6.377) do que no mesmo período de 2020 (6.296), insinuando que a pandemia de coronavírus não é tão grave.

Mas uma checagem feita pela Agência Lupa, usada como base para a decisão do Instagram de ocultar a publicação do presidente, mostrou que os números são bastante diferentes: 2.808 óbitos por doenças respiratórias no estado entre 16 de março e 10 de maio de 2019 e 3.217 no mesmo período deste ano.

As cifras são do Portal da Transparência do Registro Civil, que criou uma página com dados sobre a Covid-19. Segundo a checagem, a postagem publicada por Bolsonaro incluía a categoria "demais mortes", que diz respeito a óbitos causados por outras doenças, como tumores, Aids ou infarto, sem relação com síndromes respiratórias.

O Ceará é o terceiro estado com mais casos do novo coronavírus em termos absolutos, com 17.599, de acordo com o Ministério da Saúde, atrás apenas de São Paulo (46.131) e do Rio de Janeiro (17.939).

Em números relativos, é o quarto, com 1.927 casos por cada 1 milhão de habitantes, atrás do Amapá (3.158/1 milhão de hab.), do Amazonas (3.117/1 milhão de hab.) e de Roraima (2.138/1 milhão de hab.).

O estado também é o terceiro com mais mortes (1.189) em termos absolutos, depois de São Paulo (3.743) e Rio de Janeiro (1.770), e o segundo em índices relativos (130/1 milhão de hab.), atrás somente do Amazonas (250/1 milhão de hab.). (ANSA)

 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA