ONG usa Bolsonaro 'nu' para campanha contra desinformação

Presidente tenta esconder sua incapacidade na pandemia, diz RSF

Repórteres Sem Fronteiras fez montagem com imagem de Bolsonaro para campanha contra desinformação
Repórteres Sem Fronteiras fez montagem com imagem de Bolsonaro para campanha contra desinformação (foto: Divulgação)
11:35, 22 FevSÃO PAULO ZGT

(ANSA) - A ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) lançou nesta segunda-feira (22) uma campanha em que usa a imagem do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, "nu" com uma placa com a quantidade de vítimas e de casos da pandemia de Covid-19 no país para denunciar a desinformação durante a crise sanitária.

"Enquanto a Covid-19 provoca estragos no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro contribui para aumentar o número de mentiras em circulação e segue atacando a imprensa - numa tentativa de esconder sua incapacidade de administrar a crise sanitária", diz o texto do lançamento da campanha "A verdade nua".

Segundo o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, "essa campanha propositalmente chocante visa despertar as consciências a reagirem aos ataques permanentes do sistema Bolsonaro contra a imprensa".

Para Deloire,"os ataques não são apenas moralmente intoleráveis, mas também perigosos para a população brasileira que se vê privada de informações vitais sobre a pandemia".

"O trabalho dos jornalistas é fundamental para relatar os fatos e informar as pessoas sobre a realidade da crise sanitária. Mais do que nunca, o direito à informação, intimamente ligado ao direito à saúde, deve ser defendido no Brasil", acrescenta.

O documento de lançamento ainda lembra de diversos episódios em que Bolsonaro atacou a imprensa e relata que a RSF contabilizou "580 ataques apenas em 2020". O texto também pontua que o Brasil está na 107ª posição entre 180 países no ranking mundial da liberdade de imprensa feita pela ONG.

"'A verdade nua' se alinha com as fortes e irreverentes campanhas de comunicação divulgadas pela RSF para promover a sensibilização do público em geral e da comunidade internacional com relação às violações da liberdade de informar", finaliza ainda o comunicado. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA