Papa envia carta a Ortega e diz que 'nunca é tarde para paz'

Nicarágua vive grave crise política desde meados de abril

Protesto contra governo de Daniel Ortega em Manágua, na Nicarágua
Protesto contra governo de Daniel Ortega em Manágua, na Nicarágua (foto: ANSA)
19:41, 06 JunROMA ZLR

(ANSA) - O papa Francisco enviou uma carta ao presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, afirmando que nunca é "tarde demais para o perdão e a reconciliação".

A correspondência data de 11 de maio e foi divulgada pela vice-mandatária Rosario Murillo, esposa de Ortega. "Acompanho com minhas orações os esforços de todos os atores sociais que se orientam a buscar o entendimento e a reconciliação", diz o Pontífice.

A carta foi uma resposta a outra enviada pelo governo ao Vaticano, cuja representação na Nicarágua tenta mediar as negociações entre o regime sandinista e grupos de oposição.

"Nunca é tarde demais para o perdão e a reconciliação", escreve Jorge Bergoglio, acrescentando que a violência contribui para "multiplicar a divisão e o sofrimento, principalmente de pobres e vulneráveis".

A Santa Sé não se pronunciou oficialmente sobre o documento, escrito antes de a própria Igreja interromper o diálogo no país por conta da repressão contra manifestantes. Desde 18 de abril, mais de 100 pessoas já morreram em protestos contra Ortega.

Durante o Angelus do último domingo (3), o Papa voltou a mencionar a situação da Nicarágua e afirmou que a Igreja é "sempre favorável ao diálogo", mas exigiu "empenho para respeitar a liberdade e, antes de tudo, a vida". "Rezo para que se encerre toda a violência e se retomem as condições para o diálogo", reforçou.

Os protestos na Nicarágua começaram por causa de uma reforma previdenciária, já engavetada pelo governo, mas prosseguiram devido à violenta repressão contra os manifestantes. Ortega, ex-guerrilheiro sandinista, comanda o país desde 2007. A Igreja acusa o regime de "assassinar e reprimir" o povo. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA