Papa revoga estado clerical de padre pedófilo chileno

Fernando Karadima, 88 anos, não faz mais parte do clero

Fernando Karadima foi condenado em 2011 por crimes de pedofilia
Fernando Karadima foi condenado em 2011 por crimes de pedofilia (foto: ANSA)
15:07, 28 SetCIDADE DO VATICANO ZLR

(ANSA) - O papa Francisco revogou o estado clerical do padre Fernando Karadima, condenado por pedofilia e um dos pivôs do escândalo de abusos dentro do clero do Chile.

Segundo comunicado da Santa Sé, a decisão "excepcional" foi tomada pelo Pontífice "pelo bem da Igreja". "O decreto, firmado pelo Papa na quinta-feira 27 de setembro de 2018, entrou em vigor automaticamente e comporta também a dispensa de todas as obrigações clericais", diz a nota.

A ordenação de um padre não pode ser anulada, mas a Santa Sé pode tirar suas prerrogativas como sacerdote com a revogação do estado clerical, o que, na prática, significa a demissão do religioso e sua saída do clero.

Karadima, 88 anos e condenado pelo próprio Vaticano por pedofilia em 2011, foi acobertado durante muitas décadas por parte do episcopado do Chile, incluindo o ex-bispo de Osorno Juan Barros, que perdeu o cargo em junho passado.

Os crimes começaram na década de 1980, quando Barros era seminarista e homem de confiança de Karadima. Recentemente, Francisco recebeu vítimas do padre para uma reunião no Vaticano e ouviu cobranças por ações mais firmes contra abusadores.

"A demissão do estado clerical de Fernando Karadima é mais um passo na linha dura do papa Francisco contra os abusos. Essa é uma medida excepcional, sem dúvida, mas os graves crimes de Karadima provocaram danos excepcionais no Chile", declarou o porta-voz do Vaticano, Greg Burke. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA