CNE investiga campanha de Santos em 2010 por 'caso Odebrecht'

A empresa reconheceu ter pago mais de US$ 11 mi em suborno

CNE investiga campanha de Santos em 2010 por 'caso Odebrecht'
CNE investiga campanha de Santos em 2010 por 'caso Odebrecht' (foto: ANSA)
11:39, 17 MarSÃO PAULO ZAR

(ANSA) - O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Colômbia anunciou nesta quinta-feira (17) que questiona o suposto financiamento da construtora brasileira Odebrecht à campanha do presidente e Nobel da Paz, Juan Manuel Santos, em 2010.
   

Em comunicado, a autoridade máxima eleitoral do país afirmou que "o Conselho Nacional Eleitoral ordenou dar trâmite às queixas apresentadas sobre as supostas irregularidades no financiamento da campanha presidencial do ano de 2010".
   

Na última quarta-feira (15), o mandatário colombiano lamentou e condenou o uso de dinheiro proveniente de suborno da Odebrecht."Perante à revelação de que houve recursos não registrados em minha campanha de 2010, quero expressar minha mais absoluta rejeição e condenação sobre este caso. Lamento profundamentes e peço desculpas aos colombianos por esse fato vergonhoso que nunca deveria ter acontecido", disse em pronunciamento.
   

Santos, recente Nobel da Paz por seus esforços para terminar uma guerra interna com as Forças Armadas Revolucionárias Colombianas (Farc), também negou ter tido conhecimento ou autorizado aportes da construtora à sua candidatura.
   

O chefe de Estado ainda pediu às autoridades que "punam os responsáveis por qualquer ato de corrupção". Em fevereiro, o Ministério Público colombiano abriu uma investigação pela suposta entrada de US$ 1 milhão à campanha de reeleição de Santos. Este valor teria sido originário de um suborno ao ex-senador Otto Bula em licitação de obra pública.
   

Em delação no Brasil, a Odebrecht reconheceu ter pago mais de US$ 11 milhões em subornos na Colômbia entre os anos de 2009 e 2014. Até o momento, Bula e o ex-vice-ministro de Transporte Gabriel García Morales foram presos. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA