Eleições em Cuba marcam 'início do fim' da era Castro

Cubanos vão às urnas para eleger membros da Assembleia Nacional

Miguel Díaz Canel, possível sucessor de Raúl Castro, vota em Cuba
Miguel Díaz Canel, possível sucessor de Raúl Castro, vota em Cuba (foto: EPA)
15:11, 11 MarHAVANA ZLR

(ANSA) - Os cubanos iniciaram neste domingo (11) o caminho que levará ao fim do domínio de quase 60 anos do castrismo no país, primeiro com Fidel e agora com Raúl.

Cuba elegerá os 605 membros de sua Assembleia Nacional, que, em 19 de abril, definirá o próximo presidente da nação. O processo não terá surpresas, já que o número de candidatos é igual ao de vagas no Parlamento, mas ganha relevo histórico por ser o primeiro passo para a sucessão de Raúl Castro.

O presidente votou logo pela manhã, no município de Segundo Frente, em uma região montanhosa no leste do país - o nome da cidade é inspirado na guerra de guerrilhas que o mandatário encabeçara ao lado de Fidel (1926-2016), responsável pela queda do regime de Fulgencio Batista, em 1959.

Raúl é candidato a deputado, mas garante que não continuará no cargo de presidente. No dia 19 de abril, a Assembleia Nacional escolherá um de seus membros para governar o país latino. O mais cotado é o vice-presidente Miguel Díaz Canel, 57 anos, nascido depois da Revolução Cubana.

"As eleições são um exemplo de civismo patriótico e revolucionário e de lealdade a nosso modelo", declarou o chanceler Bruno Rodríguez. Mais de 8 milhões de eleitores podem votar, e os candidatos foram aprovados por uma comissão supervisionada pelo Partido Comunista de Cuba (PCC).

Aos 86 anos, Raúl governa o país desde 2008, após ter comandado o aparato repressivo de Fidel. Díaz Canel, seu provável substituto, cresceu centro do PCC, mas não faz parte dos quadros históricos do partido, embora empunhe a bandeira da continuidade.

Se assumir a Presidência, é provável que seu poder dependa mais de seu desempenho pessoal do que de sua própria figura, ao contrário dos Castro. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en