Com crise econômica, Equador elege sucessor de Correa

Escândalo da Odebrecht dominou as campanhas eleitorais

Com crise econômica, Equador elege sucessor de Correa (foto: EPA)
14:24, 19 FevQUITO ZBF

(ANSA) - Cerca de 12,8 milhões de equatorianos vão às urnas neste domingo (19) para eleger um novo presidente, o qual sucederá Rafael Correa, no cargo há dois mandatos. Oito candidatos estão na disputa, mas as pesquisas de intenção de voto apontam para Lenin Moreno, da Aliança País (AP) e vice de Correa no primeiro mandato, e para os conservadores Guillermo Lasso, ex-banqueiro do "Movimentro Acredito", e Cynthia Viteri, líder do Partido Social Cristão.

Especialistas veem como improvável que algum candidato obtenha os 40% dos votos, com ao menos 10 pontos de diferença entre o segundo colocado. Isso projeta uma situação de segundo turno no Equador, que seria disputado em 2 de abril.

Rafael Correa, que tomou posse pela primeira vez em 2007, deixa a Presidência do Equador em um momento de dificuldade econômica, mas em condições melhores se comparadas com outros países esquerdistas do eixo bolivariano na América Latina. O governo também tenta ainda reconstruir as áreas atingidas pelo terremoto de abril do ano passado.

A crise econômica e os escândalos de corrupção envolvendo a empreiteira brasileira Odebrecht marcaram toda a campanha eleitoral. Desde que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos divulgou que a empresa teria pago cerca de US$ 335 milhões em propinas às autoridades do Equador entre os anos 2007 e 2016, o governo e a oposição se atacaram nos discursos e comícios.

O cenário no Equador, porém, não é exclusivo do país. A América Latina tem vivido uma guinada à direita nos últimos anos, com a eleição de Mauricio Macri (2015) na Argentina e com o impeachment de Dilma Rousseff (2016) no Brasil, além da crise na Venezuela que ameaça tirar o chavismo do poder. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA