Presidente do Equador decreta toque de recolher

Medida proíbe circulação noturna perto de prédios do governo

Invasão de indígenas à Assembleia Nacional, em Quito
Invasão de indígenas à Assembleia Nacional, em Quito (foto: EPA)
08:54, 09 OutQUITO ZLR

(ANSA) - O presidente do Equador, Lenín Moreno, assinou nesta terça-feira (8) um decreto que estabelece um toque de recolher noturno nas áreas que abrigam prédios públicos.

A medida foi firmada em Guayaquil, para onde o mandatário transferiu a sede do governo por causa dos protestos populares em Quito contra o fim dos subsídios ao preço dos combustíveis. O Equador está em estado de exceção desde 3 de outubro, condição que vigorará por 30 dias e aumenta os poderes do presidente.

O toque de recolher proíbe a circulação nas "proximidades de instalações e edifícios estratégicos, como aqueles onde funcionam órgãos do governo ou outros que sejam designados pelo Comando Conjunto das Forças Armadas". A medida valerá das 20h às 5h do dia seguinte, enquanto durar o estado de exceção.

Pouco antes da assinatura do decreto, indígenas haviam invadido a Assembleia Nacional, em Quito, para protestar contra Moreno. A capital deve sediar uma nova manifestação de massa nesta quarta (9).

O presidente disse ser alvo de um "movimento político organizado para romper a ordem democrática" e culpou seu antecessor, Rafael Correa, e o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pelos protestos no Equador.

O fim dos subsídios aos combustíveis faz parte de um pacote de liberalização da economia exigido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para conceder um empréstimo ao país. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA