Campanha eleitoral no México já registra mais de 120 mortes

Violência pode impulsionar abstenção na votação

Van da campanha de Alma Mireya González Sánchez, candidata ao Senado, é queimada em Nahuatzen
Van da campanha de Alma Mireya González Sánchez, candidata ao Senado, é queimada em Nahuatzen (foto: EPA)
13:37, 24 JunCIDADE DO MÉXICO ZLR

(ANSA) - A campanha para as eleições federais no México, marcadas para 1º de julho, já registra pelo menos 121 assassinatos desde setembro passado, criando um cenário propício para incidentes durante a votação da semana que vem e que pode impulsionar a abstenção popular.

Das 121 mortes de políticos contabilizadas nos últimos nove meses, 45 tiveram candidatos como vítimas, principalmente prefeitos. A última vítima foi o postulante a chefe municipal de Ocampo pelo esquerdista Partido da Revolução Democrática (PRD), executado em casa por homens armados na sexta-feira passada (22).

Na noite anterior, o candidato independente a prefeito de Aguililla foi assassinado enquanto fazia um comício. Tais episódios tornam essas eleições as mais violentas na história do México, que, no próximo dia 1º de julho, escolherá seu novo presidente, 500 deputados federais, 128 senadores e nove governadores.

"Em algumas partes do país, o crime organizado está decidindo quem deve ser eleito", reconheceu a presidente do Tribunal Eleitoral do Poder Judiciário da Federação (TEPFJ), Janine Otálora. "Mãos criminosas estão atuando de forma premeditada para decidir, por meio da violência, quem deve estar na cédula eleitoral", acrescentou.

Otálora lançou um apelo para as autoridades de segurança e justiça reforçaram as ações para "garantir a paz e a integridade dos candidatos". "É aterrorizante saber que vamos ter muitos prefeitos impostos pelo narcotráfico, e quem sabe um ou outro governador também", reforçou a ativista anticrime Isabel Miranda.

O Instituto Nacional Eleitoral (INE), agência responsável por organizar as eleições, recebeu 32 pedidos de proteção por parte de candidatos. Em 14 de junho passado, 11 postulantes do PRD em Cutzamala, no estado de Guerrero, desistiram da campanha por causa da violência.

"Nos preocupa a violência e a forma com que ela impacta nas eleições, porque pode desestimular a participação dos cidadãos, provocar incidentes de forma isolada e afetar nossos processos", disse Benito Nacif, conselheiro do INE. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en