Ex-vice-ministro peruano aceita ser preso por 'caso Odebrecht'

Jorge Cuba é acusado de ter recebido propina da empreiteira

Odebrecht é acusada de pagar US$ 29 milhões em propinas no Peru
Odebrecht é acusada de pagar US$ 29 milhões em propinas no Peru (foto: EPA)
13:12, 08 FevSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O ex-vice-ministro de Comunicações do Peru Jorge Cuba aceitou se entregar à Justiça de seu país, onde é alvo de um mandado de prisão preventiva por suspeita de envolvimento em um caso de corrupção ligado à empreiteira brasileira Odebrecht.

Integrante do segundo governo do ex-presidente Alan García (2006-2011), Cuba é acusado de ter recebido propina da construtora para direcionar a licitação referente às obras da linha 1 do metrô de Lima, capital do Peru.

Há uma semana, a Sala Penal Nacional determinou a prisão preventiva do ex-vice-ministro por um período de 18 meses e emitiu uma ordem de captura internacional contra ele, que se encontra nos Estados Unidos.

"Depois de ter analisado minha situação, estou me colocando à disposição, e quero deixar muito claro que não fugi do país. Saí sem nenhum tipo de impedimento e quero me colocar à disposição da Justiça para ajudar em tudo o que for necessário", afirmou Cuba à emissora "América Televisión".

Contudo, o jornal "La República", citado pelo site "Infolatam", publicou que o político havia sido localizado em Miami pelo FBI enquanto tentava realizar uma transação financeira. Em seguida, as autoridades dos Estados Unidos teriam feito um acordo com a Procuradoria do Peru para cancelar o visto de Cuba e expulsá-lo imediatamente.

De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht pagou cerca de US$ 29 milhões em propinas no país latino entre 2005 e 2014. Recentemente, o governo peruano anunciou a intenção de impedir a empreiteira de participar de novas licitações. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA