Congresso abre processo de impeachment contra Kuczynski

O presidente do Peru terá de ir ao Parlamento em 22 de março

Congresso abre processo de impeachment contra Kuczynski
Congresso abre processo de impeachment contra Kuczynski (foto: EPA)
16:44, 21 MarLIMA ZLR

(ANSA) - O Congresso do Peru autorizou nesta quinta-feira (15), por ampla maioria, a abertura de mais um processo de impeachment contra o presidente Pedro Pablo Kuczynski, suspeito de ter recebido propina da empresa brasileira Odebrecht.

A moção que pede a queda do mandatário por "permanente incapacidade moral" recebeu 87 votos a favor e 15 contra, além de 15 abstenções. O impeachment de Kuczynski será votado na próxima quinta-feira, 22 de março.

O presidente já havia sido alvo de uma tentativa de derrubá-lo em dezembro passado, quando se livrou por apenas oito votos. Um dos que se abstiveram da votação, contribuindo para a manutenção de Kuczynski no poder, foi o deputado Kenji Fujimori, filho do ex-presidente Alberto Fujimori.

Condenado a 25 anos de prisão por violações dos direitos humanos, corrupção e apoio a esquadrões da morte, Fujimori recebeu um indulto "humanitário" de Kuczynski poucos dias depois da derrota do pedido de impeachment no Congresso.

"A única coisa que nos resta é invocar a seriedade do Parlamento, que não se deixe levar por interesses individuais. Isso leva a uma real destruição da imagem democrática de um país que se construiu com regras claras", declarou a primeira-ministra Mercedes Aráoz.

Eleito em 2016, Kuczynski é acusado de ter recebido propina da Odebrecht por meio de empresas de consultoria. A própria empreiteira brasileira disse que desembolsara US$ 4,8 milhões a duas firmas vinculadas ao mandatário peruano, entre 2004 e 2013.

Quando os pagamentos começaram, Kuczynski era ministro de Finanças do Peru. Inicialmente, o presidente negou ter recebido dinheiro da Odebrecht, mas depois ele mudou o discurso, alegando que havia trabalhado legalmente como assessor. Além disso, garante não ter exercido funções na Westfield Capital, uma das empresas envolvidas no escândalo, quando ocupava cargos públicos.

O impeachment pode agravar a crise política no país às vésperas da Cúpula das Américas, que ocorrerá entre 13 e 14 de abril, em Lima, e terá a presença do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O principal tema do encontro será o combate à corrupção.

O esquema de propinas da Odebrecht atingiu diversas nações da América Latina, da Argentina ao México, passando por Brasil, Colômbia, Equador e Panamá, entre outros. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA