UE diz que força policial não resolverá crise na Venezuela

Ministros se disseram preocupados com cidadãos europeus no país

UE diz que força policial não resolverá crise na Venezuela
UE diz que força policial não resolverá crise na Venezuela (foto: EPA)
19:41, 15 MaiBRUXELAS ZAR

(ANSA) - Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia pediram nesta segunda-feira, dia 15, "um diálogo urgente" na Venezuela para poder encontrar uma solução para a crise política que assola o país sul-americano e afirmaram que o uso da força policial não resolverá a situação.

"A violência e o uso de força não resolverão a crise no país", afirmaram os chanceleres em Bruxelas, que ressaltaram que ainda apoiam a conclusão que foi aprovada pelo Conselho dos Ministros das Relações Exteriores em 18 de julho de 2016, a de realizar um "diálogo urgente, construtivo e eficaz entre o governo e a maioria parlamentaria" na nação latina.

Levando em consideração que a UE "espera que todos os atores políticos na Venezuela trabalhem de maneira construtiva para uma solução da crise no país", os ministros definiram como "crucial" a "libertação de todos os opositores políticos encarcerados".

Além disso, os chanceleres também observaram que "nos últimos 10 meses, os esforços de mediação não chegaram aos resultados esperados" e que este "processo está parado" e relembraram que "a polarização está crescendo, a situação econômica e social está se agravando cada vez mais e a violência se incrementou, provocando muitas mortes e feridos".

Por fim, os ministros também destacaram que a "Venezuela é um país com mais de 600 mil cidadãos europeus [...] cuja segurança é motivo de preocupação para a União Europeia" e que por isso o bloco "ratifica sua disposição para cooperar com as autoridades para assegurar a assistência, a proteção e a segurança de todos os cidadãos europeus na Venezuela", concluíram. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA