Governo brasileiro confirma entrega de ajuda à Venezuela

Ação está prevista para este sábado, mas só há um caminhão

Público acompanha o show Venezuela Aid Live, em Cúcuta, Colômbia
Público acompanha o show Venezuela Aid Live, em Cúcuta, Colômbia (foto: EPA)
20:51, 22 FevSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O presidente Jair Bolsonaro confirmou, em seu perfil no Twitter, o envio de ajuda humanitária para a Venezuela neste sábado (23), apesar de somente um caminhão ter conseguido atravessar a fronteira.

"Comunico que o envio de ajuda humanitária aos venezuelanos está mantido. O Brasil inteiro mobilizou-se de forma ágil, e até o fim do dia cerca de 200 toneladas de alimentos e medicamentos chegam em Boa Vista", escreveu.

Antes disso, o porta-voz do governo, Otávio Rêgo Barros, já havia confirmado a operação, que começará pela manhã e deve durar "alguns dias". Neste momento, há apenas um caminhão venezuelano no centro de coleta de itens de primeira necessidade em Boa Vista, capital de Roraima.

O porta-voz disse que o local abriga cerca de 200 toneladas de alimentos básicos, como arroz, feijão, café, leite em pó, açúcar e sal, e medicamentos. O transporte será de responsabilidade exclusiva de caminhões venezuelanos, dirigidos por venezuelanos.

Rêgo Barros ainda acrescentou que cabe às equipes operacionais atuantes em Boa Vista decidir sobre a partida de comidas e remédios. Ele considerou, contudo, a hipótese de não se conseguir realizar o transporte devido à falta de caminhões.

Anteriormente, a Globo News havia informado, citando o governador de Roraima, Antonio Denarium, que o governo decidira suspender a entrega de ajuda humanitária, em função da decisão do regime de Nicolás Maduro de fechar a fronteira entre os dois países.

Denarium disse que os itens de primeira necessidade só seriam levados quando houvesse caminhões venezuelanos em número suficiente para realizar o transporte. Para o governo, de acordo com a Globo News, não valeria a pena enviar os alimentos e remédios de forma isolada, em apenas um veículo.

O governador participou na tarde desta sexta-feira (22), por videoconferência, de uma reunião de emergência com o presidente Bolsonaro, que disse querer evitar um conflito. A fronteira entre os países está fechada desde 21h (horário de Brasília) da última quinta (21), por ordem de Maduro.

O autoproclamado presidente Juan Guaidó estabeleceu em 23 de fevereiro a data para a entrada de ajuda humanitária internacional na Venezuela, a partir de Roraima e de Cúcuta, na Colômbia.

O regime chavista, no entanto, diz que os itens de primeira necessidade são uma desculpa para preparar uma intervenção para derrubá-lo. Militares venezuelanos já entraram em confronto com indígenas perto da fronteira brasileira, deixando ao menos dois mortos. O grupo queria entrar no Brasil para recolher ajuda humanitária.

Shows

Cúcuta recebe nesta sexta um megashow patrocinado pelo bilionário britânico Richard Branson para arrecadar fundos para o povo venezuelano.

Chamado "Venezuela Aid Live", em referência ao histórico show de rock realizado em 1985 para juntar recursos para combater a fome na África, o concerto recebe nomes da música latina e artistas venezuelanos forçados a fugir de seu país.

O show acontece do lado colombiano da ponte Las Tienditas, enquanto o regime Maduro promove um "contraconcerto" no lado venezuelano. A ponte está bloqueada por caminhões e contêineres para impedir a entrada de ajuda humanitária.

O espetáculo em Cúcuta tem as presenças dos presidentes Iván Duque (Colômbia), Sebastián Piñera (Chile) e Mario Abdo Benítez (Paraguai).

Guaidó

O autoproclamado presidente Juan Guaidó apareceu de surpresa no show em Cúcuta. Enquanto o "Venezuela Aid Live" ainda estava em curso, ele chegou ao palco a pé, acompanhado pelos mandatários da Colômbia, do Chile e do Paraguai.

Não está claro como Guaidó conseguiu atravessar a fronteira, já que ele está proibido de deixar a Venezuela pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), fiel a Nicolás Maduro. Segundo o jornal El Nacional, ele teria chegado em Cúcuta de helicóptero. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA