UE defende 'maior compromisso' para gerir crise na Venezuela

Grupo de Contato se reúne na Costa Rica para tratar crise

UE defende 'maior compromisso' para gerir crise na Venezuela (foto: EPA)
12:22, 07 MaiSAN JOSÉ DI COSTA RICA E CARACAS ZCC

(ANSA) - A alta representante da União Europeia (UE), a italiana Federica Mogherini, defendeu nesta terça-feira (7) que o chamado Grupo Internacional de Contato (GIC), que reúne países europeus e latino-americanos, deve estar preparado para "um maior compromisso" com a comunidade internacional para tentar solucionar a crise venezuelana.

A declaração foi dada durante pronunciamento na abertura da reunião na Costa Rica, que conta com representantes dos oito Estados-membros (França, Portugal, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha, Suécia e Reino Unido) e de quatro países latino-americanos (Bolívia, Costa Rica, Equador e Uruguai).

O encontro tem como objetivo intensificar os esforços diplomáticos para uma solução "política, pacífica e democrática" para conter a escalada de violência na Venezuela.

Mogherini defendeu que o grupo deve estar preparado para um "maior compromisso", de modo que ajude a "promover as condições e as muito necessárias medidas de promoção da confiança para um processo eleitoral credível no mais curto prazo possível".

A Alta representante da UE ainda ressaltou que a solução para a crise no país latino deve "ser venezuelana, mas a comunidade internacional, a região, têm o dever e a responsabilidade de facilitar essa solução".

"Os acontecimentos dos últimos dias na Venezuela e o agravamento da crise fazem com que os nossos esforços conjuntos sejam ainda mais importantes", acrescentou.

A crise na Venezuela ganhou um novo capítulo desde a semana passada, quando Juan Guaidó tentou insuflar um levante militar contra o governo de Nicolás Maduro.

O autoproclamado presidente conseguiu apoio para tirar da prisão domiciliar o líder opositor Leopoldo López, que se refugiou na Embaixada da Espanha em Caracas, mas não obteve adesão do alto escalão das Forças Armadas.

Ontem (6), o procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, anunciou que a "tentativa de golpe" liderada por Guaidó para retirar o líder chavista do poder deixou cinco mortos e 233 detidos.

Durante entrevista na televisão, ele afirmou que todos os casos estão sendo investigados pelo Ministério Público.

Na última terça-feira (30), Guaidó se uniu a um grupo de militares em frente à base aérea militar de La Carlota, em Caracas, pedindo apoio das Forças Armadas, que ratificaram a fidelidade ao líder chavista.

Na ocasião, Maduro anunciou sua vitória contra um "golpe de conspiração" e prometeu se vingar dos "traidores". Segundo Saab, até agora, foram emitidos 18 mandados de prisão contra civis e militares, incluindo de baixo escalão como sargentos.

"Temos visto parlamentares e alguns oficiais também com o posto de tenente-coronel agindo à margem da lei", acrescentou, colocando em evidência o chefe do Destacamento da Guarda Nacional Bolivariana na Assembleia Nacional, Ilich Sánchez Farías.

Saab ainda reforçou que 17 ataques realizados estão relacionados ao "processo judicial em andamento. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA