Morte de David Bowie, o Camaleão do Rock, completa 1 ano

Bowie morreu em decorrência de um câncer aos 69 anos

Morte de David Bowie, o Camaleão do Rock, completa 1 ano (foto: ANSA)
12:06, 10 JanROMA ZAR

(ANSA) - A morte do astro do rock David Bowie completa um ano nesta terça-feira (10) e será lembrada com diversas homenagens ao cantor.
   

Durante este mês, como parte dos tributos, estão programados shows beneficentes por várias cidades do mundo com as quais o artista manteve alguma ligação especial, como Londres, Nova York, Los Angeles, Sydney e Tóquio.
   

Bowie faleceu em decorrência de um câncer, aos 69 anos, no dia 10 de janeiro de 2016, dois dias após lançar seu último trabalho, o álbum "Black Star", na comemoração de seu aniversário.
   

Conhecido como o Camaleão do Rock, por conta da facilidade que tinha para reinventar sua carreira, o britânico morreu "em paz e rodeado por familiares", como foi informado por representantes do cantor.
   

David Robert Jones, que mais tarde se tornaria Bowie, nasceu no dia 08 de janeiro de 1947 no bairro de Brixton, em Londres, e começou a tocar saxofone aos 13 anos. Em 1969, alcançou à fama com o sucesso "Space Oddity", uma balada sobre a história de um astronauta que se perde no espaço.

 


Em 1972, lançou o disco "The rise and fall of Ziggy Stardust and the spiders from Mars", no qual relata a história do personagem Ziggy Stardust, um extraterrestre bissexual e andrógino que virou estrela do rock.

   

 

Entre seus maiores sucessos estão "Let's Dance", "Heroes", "Under Pressure", "Rebel, Rebel", "Life on Mars" e "Suffragette City". Ao longo de sua carreira, de cerca de cinco décadas, ele lançou mais de 25 álbuns de estúdios, além de nove ao vivo.

 

 

 

Bowie vendeu aproximadamente 136 milhões de discos no mundo todo, e era casado desde 1992 com a modelo Somai Iman, com quem teve uma filha, Alexandria Zahra "Lexi" Jones. Antes disso, havia tido outro filho, Duncan Jones, fruto de seu primeiro casamento com Angela Bowie. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA