'Sinto Lenù mais próxima de mim', diz atriz de 'My Brilliant Friend'

Margherita Mazzucco falou à ANSA sobre nova temporada

Margherita Mazzucco durante a apresentação da nova temporada de 'My Brilliant Friend', em Roma, 21 de janeiro
Margherita Mazzucco durante a apresentação da nova temporada de 'My Brilliant Friend', em Roma, 21 de janeiro (foto: ANSA)
15:12, 21 MarSÃO PAULO Lucas Rizzi

(ANSA) - Margherita Mazzucco, nascida em 2004, virou uma das revelações da TV italiana ao dar vida a Elena Greco, personagem-narradora da tetralogia literária que elevou a misteriosa escritora Elena Ferrante ao estrelato.

A segunda temporada de "My Brilliant Friend", produzida pela americana HBO e pela italiana Rai, estreou no Brasil em 16 de março e traz a versão televisiva de "A história do novo sobrenome", segundo livro da saga.

Em entrevista à ANSA por email, Mazzucco diz que a nova temporada a fez se sentir "mais próxima" da personagem, que começa a tomar decisões importantes no fim da adolescência e no início da fase adulta, enquanto sua grande amiga, Lila Cerullo, submete sua personalidade inquieta a um casamento precoce para mudar de vida.

"Lenù faz escolhas corajosas e revolucionárias, considerando que uma mulher nos anos 1960, sobretudo no contexto social em que ela cresceu, não podia ambicionar uma educação adequada", diz a atriz, que mantém o mesmo estilo discreto que caracteriza a personagem - seu perfil no Instagram é privado, e os detalhes de sua vida pessoal, incluindo o dia de nascimento, não chegam à mídia.

Confiro abaixo a entrevista na íntegra:

O que existe de Lenù em Margherita Mazzucco?

Aquilo que me aproxima de Lenù é a capacidade de compreender o estado de ânimo dos outros, a disciplina e a determinação.

O que mudou em sua vida depois da série? Você consegue ter ainda uma vida normal?

A minha vida depois da série não mudou muito. Às vezes me reconhecem na rua e me pedem fotos, mas consigo ainda ter uma vida normal, vou para a escola, e as relações com as pessoas que estão próximas de mim me mantêm firme.

Você e Gaia Girace cresceram junto com as personagem, que entram na fase adulta na segunda temporada. Foi mais fácil fazer a Lenù da primeira temporada ou a da segunda?

Foi mais simples interpretar a Lenù da segunda temporada porque a sinto mais próxima de mim, ela cresceu e começa a tomar decisões para ela e seu futuro.

Diferentemente de Lila, Lenù decide não se casar e vai à universidade para fugir da vida de privação e violência em seu bairro. Hoje se fala muito de feminismo e direitos das mulheres. Na sua opinião, Lenù era feminista, mesmo sem sabê-lo?

Lenù é, sem dúvidas, uma feminista. Faz escolhas corajosas e revolucionárias, considerando que uma mulher nos anos 1960, sobretudo no contexto social em que ela cresceu, não podia ambicionar uma educação adequada e, portanto, uma vida digna.

O que se pode aprender com a amizade de Lila e Lenù?

Apesar da grande diferença de personalidade, nenhuma julga a outra e, ao longo do tempo, uma estará sempre ali para confortar a outra.

Como foi a experiência de subir no palco do Teatro Ariston para o último Festival de Sanremo?

Foi muito emocionante. Eu estava agitadíssima porque era uma transmissão ao vivo (situação à qual não estou habituada), mas, felizmente, me deixaram confortável. Além disso, foi divertido colocar uma roupa de gala que normalmente eu não usaria para sair com amigos. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA