Andrea Bocelli é criticado após declarações sobre pandemia

Tenor participou de evento promovido por negacionistas em Roma

Andrea Bocelli com Matteo Salvini em congresso sobre coronavírus em Roma, 27 de julho
Andrea Bocelli com Matteo Salvini em congresso sobre coronavírus em Roma, 27 de julho (foto: ANSA)
14:13, 28 JulSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Tido até então como uma unanimidade na Itália, o tenor Andrea Bocelli virou alvo de críticas por causa de suas declarações negacionistas a respeito da pandemia do coronavírus Sars-CoV-2, que infectou mais de 246 mil pessoas e deixou mais de 35 mil mortos no país.

O astro participou de um debate sobre a crise sanitária organizado por parlamentares de extrema direita em Roma, nesta segunda-feira (27), e chegou a se referir à emergência como "a assim chamada pandemia".

"Tentei me identificar com quem tinha de tomar decisões difíceis. Depois, tentei analisar a realidade e vi que as coisas não eram como nos contavam. [...] Conforme o tempo foi passando, graças a Deus não conheci ninguém que tivesse ido para a UTI, então por que essa gravidade?", questionou.

Além disso, Bocelli disse ter se sentido "humilhado e ofendido" pela proibição de sair de casa durante o lockdown na Itália e confessou ter violado a quarentena em algumas ocasiões.

Um dos primeiros a reagir às declarações foi outro astro da música italiana, o rapper Fedez, com quem o tenor chegou a fazer uma apresentação virtual para arrecadar fundos para um hospital durante a pandemia.

"Se você não conhece ninguém que tenha estado na UTI e se permite instigar a dúvida de que a pandemia seja uma fantasia, te apresento um amigo meu que, por causa da Covid, teve de passar por um transplante de pulmão aos 18 anos. Depois, ficar em silêncio de vez em quando não faz mal", disse Fedez no Twitter, sem citar Bocelli nominalmente.

A mensagem é acompanhada da foto de um paciente que se tratou na UTI construída com ajuda de uma arrecadação promovida pelo rapper e pela blogueira Chiara Ferragni, sua esposa. Quem também se pronunciou foi Luca Fusco, presidente de um comitê de familiares de vítimas da pandemia que já depositou dezenas de denúncias por negligência das autoridades na crise sanitária.

"Gostaria de convidar Bocelli, a quem sempre apreciei como artista, a vir para Bergamo e Brescia quando quiser. Estou certo de que mudará de ideia sobre muitas coisas", disse Fusco, referindo-se a duas das províncias mais atingidas pela pandemia na Itália.

Com a repercussão negativa de suas declarações, Bocelli disse que foi "mal interpretado" e que não é um "negacionista", mas sim um "otimista". O tenor contraiu o novo coronavírus em março e chegou a doar plasma para uma pesquisa sobre tratamentos para a Covid-19. (ANSA)  

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA