Em 'Copa' não oficial, até Curaçao já foi campeã

Iniciativa propõe forma mais democrática de ver o futebol

Uruguai vai defender o título de campeão mundial não oficial de futebol na Copa (foto: ANSA)
16:23, 06 JunSÃO PAULO Lucas Rizzi

(ANSA) - Imagine um universo onde Venezuela, Geórgia, Zimbábue e Curaçao são campeões mundiais. Ou onde a Escócia é a seleção mais vitoriosa de todos os tempos. Ou ainda: onde a Argentina tem mais títulos que o Brasil. Parece loucura? Pois bem, basta ter um olhar diferente, mais democrático e até mesmo mais divertido sobre a história do futebol para ver que a glória pode ficar nas mãos de quem jamais teria chance em uma elitista Copa do Mundo.

 

É o que faz desde 2003 o Unofficial Football World Championships (UFWC) - ou Campeonato Mundial Não Oficial de Futebol -, que criou uma maneira distinta para definir quais são os melhores selecionados do planeta. Funciona assim: o país detentor do título precisa defender essa conquista em todas as partidas que disputa. Quando perde, o "troféu" passa para quem o vence. É mais ou menos como no boxe, quando um lutador fica com o cinturão até que um adversário o derrote.

 

Para ficar mais claro, o Uruguai é o atual campeão mundial não oficial de futebol. Se for batido pela Costa Rica na sua estreia na Copa, o título passa para os caribenhos. "Essa ideia circulou por algum tempo, pelo menos desde 1967, quando os torcedores da Escócia alegaram que o país tornou-se campeão não oficial de futebol após vencer a Inglaterra [ganhadora do Mundial de 1966] por 3 a 2 em Wembley. Mas o UFWC foi criado mesmo em 2003", conta à ANSA o jornalista e escritor Paul Brown, idealizador da iniciativa.

 

Para criar um torneio definitivo contínuo, foi preciso montar uma cronologia de mais de 800 amistosos e jogos oficiais entre seleções, começando desde os primórdios do esporte mais amado do planeta. O primeiro deles aconteceu em 1872, entre Escócia e Inglaterra. Como na época eram as únicas duas que existiam, não é preciso muito esforço para reconhecer a vencedora do embate como melhor do mundo. Mas o confronto terminou em 0 a 0. As duas equipes voltaram a se enfrentar no ano seguinte, desta vez com vitória por 4 a 2 dos ingleses, que se tornaram os primeiros campeões mundiais não oficiais.

 

Durante muito tempo essas duas nações jogaram apenas entre si, por isso permanecem liderando o ranking, mas com os escoceses na ponta. "O UFWC não tem como objetivo substituir competições oficiais, ele apenas acrescenta um pouco mais de diversão e interesse ao futebol internacional, principalmente fora da Copa do Mundo", diz Brown, que escreveu um livro sobre o projeto, o "Unofficial Football World Championships". Para montar a tabela de classificação, cada time que vence um confronto ganha um ponto, seja defendendo o "cinturão" ou tentando derrubar o campeão. Se o cotejo empata, ninguém leva nada e o troféu não muda de dono.

 

Esse método cria algumas situações bastante curiosas. O pentacampeão Brasil, por exemplo, está apenas na sexta posição do ranking, com 29 pontos, atrás de Rússia (41), Holanda (49) e Argentina (57), além de Inglaterra (73) e Escócia (86). Nos 140 anos de história do futebol internacional, o título já passou por 42 nações, incluindo Zimbábue (7), Georgia (2), Venezuela (1) e a minúscula Curaçao (1), países que nunca disputaram uma Copa.

 

Para que as vitórias no UFWC não passem em branco, os responsáveis pelo campeonato enviam um troféu virtual para todas as federações que o conquistam. Até hoje nenhuma delas se manifestou sobre a honraria. "Mas nós sabemos que alguns treinadores e jogadores conhecem o UFWC. Por exemplo, o técnico da Suécia, Erik Hamrén, disse recentemente que seguiu o UFWC por muitos anos, e que estava muito, muito feliz por vencê-lo", acrescentou o jornalista.

 

A declaração foi dada após os suecos derrotarem a Coreia do Norte em um torneio amistoso e derrubarem os asiáticos do trono não oficial do futebol. Goleiro do time na ocasião, Pär Hansson também se mostrou bastante orgulhoso do feito. "Eu ouvi que somos campeões mundiais agora. Eu posso me gabar por um bom tempo", afirmou então o arqueiro, em tom de brincadeira.

 

Afinal, é disso que se trata o UFWC. Diversão. Como diz o site do campeonato, o título já foi decidido em finais de Copa do Mundo e em amistosos aparentemente insignificantes. Já foi conquistado pelos mais célebres jogadores de todos os tempos e por heróis desconhecidos. É uma forma mais democrática de ver o futebol, a única em que as seleções de Curaçao e Brasil fazem parte do mesmo clube. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA