Quanto custa casar na Itália? Confira como planejar a festa

Cerimônias podem sair mais baratas que as realizadas no Brasil

Casamento Catarina e Thiago , Em Taormina, região da Sicília, Itália (foto: Arquivo Pessoal / Catarina e Thiago)
15:35, 11 MaiSÃO PAULO Luciana Ribeiro

(ANSA) - Casar em uma praia de águas cristalinas, em um castelo medieval ou em uma vinícola. De Puglia ao Vêneto, da Toscana à Sicília, a Itália é uma das principais opções de "destination wedding" hoje em dia e atrai noivos em busca de experiências. O acesso a informações pela internet e a desburocratização de documentos tem facilitado a realização de matrimônios na Itália.

O primeiro passo, porém, é procurar um cerimonialista ou assessor que atue no país para auxiliar os noivos a encontrarem uma locação para a festa dentro do orçamento desejado. "O correto é ir em busca de um assessor que realiza Destination Wedding, assim eles podem analisar locais, budget, o que realmente é preciso para realizar o seu grande dia de maneira personalizada", disse à ANSA a assessora de casamentos Fernanda Murici.

É recomendável que o casal comece a organizar sua festa de casamento na Itália cerca de um ano antes da data desejada. "A melhor época para se casar em território italiano é entre os meses de maio a junho, e do meio de agosto a setembro. O mês de julho é muito quente, então é melhor evitar", disse consultora italiana Cristina Artana, proprietária da empresa Wedding Date in Italy.

Os noivos também precisam logo definir o número médio de convidados para a festa. Como ocorrerá em outro continente, menos pessoas conseguem comparecer e isso, consequentemente, faz os casamentos no exterior mais econômicos que as festas tradicionais no Brasil. A maioria dos restaurantes e hoteis para casamentos na Itália aceitam celebrações a partir de 10 pessoas, incluindo os noivos.

"Casar no exterior é mais barato do que casar aqui no Brasil. O exagero de valores que existe aqui no Brasil em todos os itens é muito grande. E quando você casa lá fora, você tem como reduzir esse custo", afirmou a especialista em matrimônios no exterior Maristela Gomez.

A especialista confessa que é possível realizar uma cerimônia de casamento na Itália com um custo de 5 a 8 mil euros (de R$ 17 a R$ 27 mil) para cerca de 30 convidados. No entanto, caso os noivos prefiram uma festa maior, os valores podem chegar a até 100 mil euros.

Neste orçamento, a especialista incluiu a locação do espaço, buffet completo com comida e bebida, músicos, DJ, decoração e o bolo de casamento. Serviços extras, como intérpretes e fotógrafos, devem ser contratados à parte e aumentam o valor do orçamento.

Apesar da Itália ser um país predominantemente católico, repleto de igrejas, a cerimônia de casamento no país europeu não precisa ser necessariamente religiosa, podendo ser apenas uma celebração da união.

"Alguns noivos optam pela cerimônia simbólica, neste caso, não há documentação. Haverá apenas um celebrante no dia para selar a união do casal", explicou Murici à ANSA.

"Mas quando há o interesse em realizar a cerimônia religiosa, é preciso providenciar as documentações que a igreja solicita iniciando o processo aqui no Brasil para ser enviado para Itália", acrescentou a especialista.

Normalmente é preciso fazer a solicitação do documento com o mínimo de antecedência de quatro meses. Por sua vez, o casal tem que lembrar que o casamento católico só pode ser realizado em uma igreja ou capela.

"A grande maioria, mais do que 99% dos casais, fazem a parte burocrática aqui no Brasil e só celebram a união na Itália, principalmente porque o casamento oficial é mais trabalhoso e nem todas as cidades aceitam a união de cidadãos de outros países", ressaltou Gomez.

Entre as cidades mais procuradas para serem testemunhas da celebração do amor estão os principais pontos turísticos da Itália."O brasileiro é muito sonhador quando a gente fala de casamento. Então os destinos mais românticos na Itália são os mais pedidos, entre eles a Toscana, Costa Amalfitana, Veneza e Lago de Como", acrescentou a especialista.

As cerimônias podem ser realizadas em castelos, palácios, mosteiros, praias, ilhas, vilas, vinhedos italianos e até mesmo nos melhores restaurantes da região.

Para aqueles que sonham com um casamento digno de conto de fadas, os castelos espalhados por toda a região de Florença são os cenários ideais.Originalmente, eles foram construídos para proteger a monarquia contra as invasões bárbaras, na Idade Média, mas, com o passar dos anos, os castelos medievais se transformaram em hotéis de luxo, que atualmente são palcos de diversas celebrações inesquecíveis.

Já para os noivos que optam por um casamento mais romântico, a Costa Amalfitana, que fornece uma herança cultural e paisagens espetaculares com igrejas antigas e praias de águas cristalinas, é o destino ideal. As cidades mais famosas da região são Positano, Ravello e Amalfi, que dá o nome à costa.

O Lago de Como, rodeado de belas montanhas, também é outro cenário solicitado pelos casais. Repleto de edifícios históricos, aldeias e vilas, o lago é um dos ambientes ideais para uma cerimônia inesquecível.

Na Itália, também é possível se casar no "Signora del Vento", um veleiro de época ancorado em Civitavecchia, na região do Lazio, que permite que os noivos e até 106 convidados celebrem a união bordo. O matrimônio é oficializado pelo capitão e é prolongado em um pequeno cruzeiro.

Entre outros destinos escolhidos por casais brasileiros estão a região do Vêneto, principalmente Veneza, além de pequenas vilas e cidades românticas como Treviso, Verona, Mira, Cortina d'Ampezzo, Pádua e Vicenza. Roma, Puglia, Liguria, Umbria, Sicília, Capri, Sorrento e Câmpania, e os lagos de Garda, Orta e Maggiore também fazem parte da seleção.

Além dos brasileiros, a Itália também está entre as metas preferidas de casais da Europa, de acordo com os dados do Observatório do International Wedding.

O casal de brasileiros Magali Magalhães e Rogério Nogueira se casaram em abril de 2013, na Basílica de São Francisco de Assis, em Assis, na região de Umbria.

"O nosso casamento foi decidido apenas com três meses de antecedência. Fizemos a cerimônia no civil com festa para 120 convidados em São Paulo. E, para a Itália, foram apenas cinco pessoas, entre os noivos, os pais da noiva e a fotógrafa", explicou Magali à ANSA.

O casal optou por não contratar especialistas e cuidou de todos os detalhes diretamente com um frei da basílica. "Pagamos a cerimônia, os músicos e a decoração da capela", contou a noiva.

Na ocasião, os franciscanos fizeram uma surpresa para eles. "Nos deram uma benção do papa Francisco, que tinha acabado de assumir a Igreja Católica, um mês antes. A informação que temos é que somos os primeiros brasileiros com uma bênção papal do Pontífice", ressaltou.

Ao contrário deles, a noiva Catarina Menezes fez uma cerimônia tradicional italiana para 70 convidados em Taormina, na região da Sicília. Além disso, contratou uma assessoria na Itália e uma no Brasil.

"A da Itália me ajudou com agendamento da igreja, documentação necessária, escolha do padre, decoração da igreja e do local da festa. A do Brasil foi até a Itália para organizar tudo e foi essencial para eu ficar mais calma, para eu ter certeza que tudo ocorreria conforme eu sonhei", enfatizou.

Segundo a noiva, a igreja católica Italiana exigiu muitos documentos para autorizar o matrimônio. "Fizemos o que todo noivo que casa no Brasil precisava fazer: curso de noivo, ter os documentos da eucaristia. Além disso, precisávamos de uma carta escrita por um bispo brasileiro certificando que estávamos aptos a casar na Itália. Fizemos essa entrevista com o bispo e ele escreveu uma carta oficial para Igreja Católica italiana", explicou Catarina.

Para ela, entre a principal diferença da cerimônia italiana para a brasileira é que, após o casamento, ao sair da Igreja, eles têm uma tradição de caminhar pelas ruelas da cidade e brindar com a população. "Então fizemos um brinde e oferecemos às pessoas que passavam pelas ruas", finalizou. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en