Inspiração de Moro, Di Pietro fracassou na política

Promotor da "Mãos Limpas" teve carreira conturbada

Antonio Di Pietro comandou a maior investigação anticorrupção da Itália
Antonio Di Pietro comandou a maior investigação anticorrupção da Itália (foto: Ansa)
17:39, 02 NovSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - A decisão do juiz Sérgio Moro de abandonar a toga para abraçar a carreira política segue os passos daquele que é considerado uma de suas inspirações, o ex-promotor Antonio Di Pietro, responsável pela Operação Mãos Limpas, que desbaratou um disseminado esquema de corrupção e dizimou o sistema partidário da Itália no início dos anos 1990.

Como político, no entanto, Di Pietro nunca alcançou o mesmo sucesso da época de magistratura, e hoje, aos 68 anos, é visto com descrédito por boa parte da opinião pública. A "Mãos Limpas" investigou 4,5 mil pessoas, indiciou 3,2 mil e obteve cerca de 1,3 mil condenações, redefinindo o mapa político da Itália e causando a extinção da Democracia Cristã e do Partido Socialista Italiano, que governavam o país desde o fim da Segunda Guerra.

O desencanto da população com a corrupção da classe política catapultou ao poder um empresário que prometia modernizar a Itália, Silvio Berlusconi, que teria tentado levar Di Pietro para seu governo, o que acabou não acontecendo.

Ainda assim, o então promotor decidiu abandonar a magistratura no fim de 1994, o que abriria caminho para sua carreira política. Em 1996, Di Pietro aceitou um convite do então premier Romano Prodi, de centro-esquerda, para ser ministro das Obras Públicas, cargo do qual se demitiria seis meses depois por causa de uma investigação.

O ex-promotor voltaria a trabalhar com Prodi entre maio de 2006 e maio de 2008, como ministro de Infraestrutura. O ex-premier é egresso da Democracia Cristã, um dos partidos afundados pela "Mãos Limpas", e liderava uma coalizão de centro-esquerda formada por órfãos dos partidos italianos que desapareceram naquele período.

Entre os dois ministérios, Di Pietro foi senador, deputado e eurodeputado, tendo fundado, em março de 1998, a legenda Itália dos Valores (IdV), de centro-esquerda, que tinha como bandeiras a valorização da legalidade e a transparência administrativa. O ex-promotor rompeu com o IdV em 2014, após ter perdido apoio entre seus filiados por defender uma oposição dura ao governo de Matteo Renzi.

Desde então, Di Pietro cogitou candidaturas a prefeito de Milão e governador e senador de sua região de origem, a pequena Molise, onde teria o apoio do Partido Democrático (PD), de centro-esquerda. No entanto Renzi, então secretário da legenda, vetou a candidatura.

"E a razão pela qual dissemos não a uma candidatura de Di Pietro é simples: Di Pietro representa uma cultura justicialista que nunca apreciamos, e, com todo o respeito por sua pessoa, essa história representa o passado", declarou o ex-premier em janeiro de 2018.

Em sua carreira política, Di Pietro adotou um viés marcadamente antiberlusconista, contra as "castas" e de defesa de uma Justiça rápida e severa contra políticos, antecipando de certa forma o discurso antissistema do Movimento 5 Estrelas (M5S), hoje no poder. Quando promotor, usou táticas depois empregadas por Moro, como as prisões para conseguir delações premiadas.

Embora popular em um primeiro momento, Di Pietro quase nunca obteve votações expressivas, com exceção de sua vitória para o Senado na Toscana, ainda em 1997, com 67,8% dos votos. Há cerca de um ano, o ex-magistrado fez um mea culpa.

"Fiz uma política sobre o medo e paguei as consequências. O medo das algemas, o medo do, digamos assim, 'somos todos criminosos', o medo no qual quem não pensa como eu seja um delinquente. Fiz o inquérito Mãos Limpas, e com ele se destruiu tudo o que era a dita Primeira República: o mal, e havia muito com a corrupção, é que nasceram os chamados partidos personalistas", disse.

Di Pietro também pagou o preço por erros na seleção de dirigentes para seu partido. Um ex-senador do IdV, Sergio De Gregorio, recebeu suborno de Berlusconi para derrubar o governo Prodi em 2008, ao trocar a centro-esquerda pela direita.

Berlusconi chegou a ser condenado a três anos de prisão, mas o crime prescreveu. Outro ex-senador, Antonio Razzi, também abandonou o IdV para aderir ao líder conservador e virou figura folclórica no país por seu apoio ao regime da Coreia do Norte e por falar um italiano bastante pobre. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA