Rede criminosa está ligada aos incêndios na Amazônia, diz ONG

Denúncia foi feita em relatório da Human Rights Watch

Rede criminosa está ligada aos incêndios na Amazônia,diz ONG (foto: EPA)
11:21, 17 SetROMA ZCC

(ANSA) - Um relatório elaborado pela ONG de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) divulgado nesta terça-feira (17) revelou que o desmatamento ilegal e as queimadas na Amazônia estão relacionados a uma rede de criminosos que intimidam defensores do meio ambiente no país.

Com 169 páginas, o documento "Máfias do pê: como a violência e a impunidade impulsionam o desmatamento na Amazônia brasileira" afirma que os criminosos pagam por mão de obra, por grandes maquinários (motosserras, tratores, correntes, caminhões), e por proteção de milícia armada contra quem tenta denunciar os crimes.

Além disso, eles ameaçam povos indígenas, agricultores, funcionários públicos e até policiais. Os alvos do crime são os chamados "defensores da terra".

Segundo a HRW, a destruição da floresta é uma consequência da grilagem, um crime que ocorre quando a terra é tomada por pessoas que se apropriam dela ilegalmente.

Os criminosos desmatam, queimam e colocam gados no pasto restante e depois vendem tudo com documentos falsos, "legalizando" o espaço invadido.

Além disso, o relatório revela que o governo brasileiro fracassou ao tentar investigar e processar os responsáveis pelos crimes ambientais e documenta 28 assassinatos, a maioria registrada após 2015, nos quais os criminosos estavam envolvidos com a destruição da floresta. Os dados revelaram que a maioria das vítimas era indígenas ou membros de comunidades locais.

"Os brasileiros que defendem a Amazônia estão a enfrentar ameaças e ataques de redes criminosas envolvidas em extração ilegal de madeira", afirmou Daniel Wilkinson, diretor de direitos humanos e meio ambiente da Human Rights Watch.

De acordo com ele, a "situação só está a piorar com o presidente [Jair] Bolsonaro, cujo ataque às agências ambientais do país está a colocar em risco a floresta tropical e as pessoas que vivem lá".

O texto foi elaborado a partir de mais de 170 entrevistas realizadas entre 2017 e 2019 com moradores do Pará, Maranhão e Rondônia, além de membros de povos indígenas, agricultores e representantes de Instituições. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA