Bolsonaro compra briga com DiCaprio sobre Amazônia

Sem provas, presidente acusou ator de financiar incêndios

Leonardo DiCaprio também é conhecido por envolvimento com causas ambientais
Leonardo DiCaprio também é conhecido por envolvimento com causas ambientais (foto: EPA)
18:47, 29 NovSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O presidente Jair Bolsonaro resolveu comprar briga com o ator americano Leonardo DiCaprio, que em agosto passado havia prometido US$ 5 milhões para ajudar entidades que combatem incêndios na Amazônia.

Em conversa com eleitores no Palácio da Alvorada, o mandatário acusou o astro de Hollywood, sem provas, de financiar queimadas na floresta. "O Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia", disse, segundo a Folha.

Em agosto, no auge da crise ambiental, o ator havia anunciado que sua fundação, a Earth Alliance, criaria um fundo de US$ 5 milhões destinado a "comunidades indígenas e outros parceiros locais que trabalham para proteger a biodiversidade da Amazônia contra os incêndios".

O governo adota a estratégia de insinuar o envolvimento de ONGs nos desastres ambientais que marcaram o primeiro ano de mandato de Bolsonaro, como as queimadas florestais e o vazamento de óleo no Nordeste, embora não haja nenhuma prova contra organizações da sociedade civil.

Quatro integrantes da ONG Brigada de Incêndio de Alter do Chão, reserva natural situada no Pará, chegaram a ser presos pela Polícia Civil do estado por suspeita de envolvimento nas queimadas na região.

O Ministério Público Federal, no entanto, também investiga o caso e disse não ter encontrado indícios contra os brigadistas, que acabaram libertados na última quinta (28). Além disso, o governador Hélder Barbalho trocou o delegado do caso.

Faltando três dias para o início da cúpula climática das Nações Unidas, a COP25, em Madri, o governo brasileiro sofre pressões da comunidade internacional para assumir compromissos com a defesa do meio ambiente, especialmente de países da União Europeia. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA