Vacina da Alemanha e EUA deve ser produzida ainda em 2020

Testes em humanos começaram a ser realizados nos EUA

Mundo está na corrida para localizar uma vacina contra o novo coronavírus
Mundo está na corrida para localizar uma vacina contra o novo coronavírus (foto: AFP)
10:40, 06 MaiROMA ZGT

(ANSA) - A multinacional Pfizer e a empresa alemã BioNTech anunciaram que iniciaram os testes em humanos da vacina BNT162 para combater o novo coronavírus (Sars-CoV-2) e que isso permitirá "a produção de milhões de doses em 2020, aumentando para centenas de milhões em 2021".

As primeiras doses foram administradas em pessoas dos Estados Unidos e a amplitude do programa é o que faz as duas empresas acreditarem que a produção em massa da vacina ocorra ainda neste ano.

Segundo as informações das companhias, as primeiras cobaias foram cinco voluntários da Universidade de Maryland e do centro médico Grossman, da Universidade de Nova York. Os pesquisadores testaram quatro versões da vacina e um placebo para verificar as reações dos corpos. Inicialmente, a experiência inclui pessoas com idades entre 18 e 55 anos e, sucessivamente, serão adicionadas pessoas na faixa etária dos 65 aos 85 anos.

A estimativa é que até 360 pessoas sejam testadas nos doses, sendo que os mais velhos serão imunizados com um determinado nível de dosagem de uma vacina candidata, apenas uma vez, e os mais jovens terão como base evidências preliminares de segurança.

O programa permite que haja uma avaliação simultânea das várias vacinas a fim de garantir que seja possível identificar o "candidato" mais seguro e potencialmente mais eficaz em um número maior de voluntários. Assim, também será possível compartilhar em tempo real as informações com as autoridades regulatórias.

"Estamos otimistas sobre o fato de levar adiante mais vacinas candidatas nas experimentações humanas, o que permitirá identificar as opções de vacinação mais seguras e eficazes contra a Covid-19", disse o CEO da BioNTech, Ugur Sahin.

Em nota, a Pfizer informou que três unidades da empresa nos EUA - Massachusetts, Michigan e Missouri - e uma na Bélgica - em Puurs - terão capacidade de produzir o medicamento contra a Covid-19, com possíveis novas plantas sendo selecionadas conforme a necessidade. Já a BioNTech informou que aumentará a sua capacidade de produção na Alemanha para garantir o fornecimento global da vacina em potencial.

O comunicado ainda afirma que as empresas "trabalharão conjuntamente para comercializar a vacina em todo mundo após a prévia aprovação regulatória". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA