Bolsonaro admite dificuldade para aprovar Previdência

Presidente eleito cobrou reforma feita com o "coração"

Bolsonaro admite dificuldade para aprovar Previdência
Bolsonaro admite dificuldade para aprovar Previdência (foto: EPA)
07:54, 13 NovSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O presidente eleito, Jair Bolsonaro, reconheceu nesta segunda-feira (12) que há dificuldades em aprovar a reforma da Previdência ainda neste ano.

Segundo ele, a avaliação foi feita pelo economista Paulo Guedes, que assumirá o superministério da Economia e que está à frente das principais negociações sobre o tema. Bolsonaro e Guedes se reuniram nesta segunda-feira no Rio de Janeiro.

"Ele [Guedes] está achando que dificilmente aprova alguma coisa neste ano", afirmou.

"Não é esta a reforma que eu quero", acrescentou o presidente eleito, confirmando que vai tomar café com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversar sobre o assunto. Também informou que vai "apertar a mão" dos colegas do Congresso Nacional.

Para Bolsonaro, a reforma tem de começar pelo setor público, considerado por ele deficitário. Também afirmou que não se deve pensar em uma reforma baseada apenas em cálculos e números. De acordo com ele, é importante observar os dados com o "coração".

"Tem de olhar os números e o social também", disse o presidente eleito. "É complicado, mas você tem de ter o coração nessa reforma", acrescentou Bolsonaro. "Olhar os números de forma fria, qualquer um faz, nós não queremos isso."

Bolsonaro criticou a existência de aposentadorias acima do teto constitucional, no setor público, que fixa como limite o salário dos ministros dos tribunais superiores (R$ 33,7 mil).

"[Há] aposentadorias que estão aí até acima do teto, excessos de privilégios", disse. "Tem que começar com a Previdência pública." (ANSA) Fonte: Agência Brasil

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA