Alvo de Lula, Bolsonaro diz que não responderá criminosos

Petista se referiu ao presidente como miliciano

Alvo de Lula, Bolsonaro diz que não responderá criminosos (foto: EPA)
10:57, 10 NovSÃO PAULO ZCC

(ANSA) - Após ser alvo de ataques do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o mandatário brasileiro Jair Bolsonaro afirmou na noite deste sábado (9) que não responderá a "criminosos que por ora estão soltos".

Em um discurso agressivo no Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo, o petista chegou a falar que Bolsonaro foi eleito democraticamente para governar para o povo e não para os milicianos do Rio de Janeiro, fazendo uma referência ao assassinato da vereadora Marielle Franco.

"Não responderei a criminosos que por ora estão soltos. Meu partido é o Brasil!", respondeu Bolsonaro em sua conta no Twitter.

Mais cedo, o atual presidente já havia publicado uma mensagem chamando Lula de "canalha", embora sem tê-lo citado, e pedindo para seus seguidores não darem "munição" para o petista que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa.

Além disso, ao sair do Palácio do Planalto para participar de um evento no Clube Pandiá Calógeras, no Setor Militar Urbano, em Brasília, Bolsonaro foi questionado sobre as críticas de Lula a seu governo e aproveitou para chamá-lo de "presidiário".

"A grande maioria do povo brasileiro é honesto, trabalhador e nós não vamos dar espaço nem contemporizar com presidiário. Tá solto, mas continua com todos os crimes dele nas costas", ressaltou.

Lula foi libertado na última sexta-feira (8) depois de ser beneficiado por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a qual barrou a possibilidade de prisões após condenação em segunda instância.

O ex-presidente foi condenado em duas instâncias no caso do tríplex no Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato. O petista cumpria pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA