Maior jornal italiano dá 'nota 2' a Bolsonaro em pandemia

Corriere della Sera fez ranking com 11 líderes internacionais

O presidente Bolsonaro foi definido como 'negacionista' pelo Corriere della Sera
O presidente Bolsonaro foi definido como 'negacionista' pelo Corriere della Sera (foto: ANSA)
11:54, 14 AbrSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O Corriere della Sera, jornal de maior circulação da Itália, deu nota 2, em uma escala que vai de zero a 10, para o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na gestão da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Em uma classificação publicada nesta terça-feira (14), o diário milanês define Bolsonaro como um "negacionista" inspirado por seu "ídolo Donald Trump" e afirma que ele está "quase isolado no mundo".

"Jair Bolsonaro enfrenta uma oposição interna com poucos precedentes na história do Brasil. Ignoram seus apelos para voltar ao trabalho tanto os governadores e prefeitos das áreas mais atingidas pelo vírus, os quais mantêm regras bastante rígidas, quanto o próprio ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que segue as indicações da OMS e está sempre a ponto de perder o cargo", diz o texto escrito pelo correspondente do diário no Brasil, Rocco Cotroneo.

"Por enquanto, Mandetta continua, até porque as pesquisas lhe atribuem o dobro da aprovação do presidente. Bolsonaro, enquanto isso, sai do palácio e aperta mãos, incita seus apoiadores a retomarem as atividades e a cada dois ou três dias lança um apelo contraditório na TV", afirma o Corriere della Sera.

O jornal italiano também define o presidente como um "fanático defensor da cloroquina como cura infalível da Covid-19". "Enquanto todos os especialistas advertem que os meses de maio e junho serão terríveis no Brasil, Bolsonaro sustenta que 'a questão do vírus está começando a ir embora'", conclui o Corriere.

Ao todo, o jornal avaliou 11 líderes, sendo que Bolsonaro recebeu a pior nota. A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, definida como "empática", lidera o ranking, com nota 9, à frente da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, a "maga das emergências", e da "corajosa" premiê da Dinamarca, Mette Frederiksen, ambas com 8.

O presidente da China, Xi Jinping, recebeu uma avaliação dupla: 10 para os chineses e 5 para o restante do mundo, devido ao "aparato imperial" que desestimula a admissão de problemas no país e à sua hesitação em alertar o restante do planeta sobre o risco de uma pandemia.

Os outros líderes avaliados são o chanceler da Áustria, Sebastian Kurz (6), os primeiros-ministros do Reino Unido, Boris Johnson (7), e da Irlanda, Leo Varadkar (7), e os presidentes da França, Emmanuel Macron (7), e dos Estados Unidos, Donald Trump (5).

Já o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, ficou sem nota devido à sua postura de tentar "temporizar", confiando na disciplina da população local e sem impor multas para quem não respeitar a recomendação de limitar as saídas de casa. "Meias medidas e juízo suspenso para o temporizador Abe", diz o Corriere. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA