'Tem que reabrir', diz Bolsonaro após recorde de casos de Covid

Brasil já registra cerca de 190 mil contágios por coronavírus

Jair Bolsonaro insiste em criticar medidas de isolamento social
Jair Bolsonaro insiste em criticar medidas de isolamento social (foto: EPA)
11:45, 14 MaiSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a cobrar nesta quinta-feira (14) o fim das medidas de isolamento em cidades e estados, após o Brasil ter batido recorde no número de casos diários na pandemia do novo coronavírus.

"Vamos ser fadados a ser um país de miseráveis, como tem alguns países da África Subsaariana. Nós temos que ter coragem de enfrentar o vírus. Vai morrer gente? Tá, lamento, mas vai morrer muito, mas muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas", disse Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

A África Subsaariana é formada pelos países que ficam ao sul do deserto do Saara. Segundo o monitoramento da Universidade John Hopkins, dos EUA, o continente africano inteiro tem pouco mais de 70 mil casos do novo coronavírus confirmados, menos da metade dos 188.974 contabilizados pelo Ministério da Saúde no Brasil.

A pasta ainda registrou na última quarta-feira (13) o maior número de novos casos em um dia desde o início da pandemia: 11.385, mais do que o total de qualquer país da África, com exceção da África do Sul (12.074). Já os óbitos somam 13.149. "Tem que reabrir, nós vamos morrer de fome, a fome mata", acrescentou Bolsonaro.

No mesmo pronunciamento, ele cobrou um pedido de desculpas dos governadores e prefeitos que impuseram medidas de isolamento. "Essa história de lockdown, de fechar tudo, não é esse o caminho, esse é o caminho do fracasso, vai quebrar o Brasil", disse.

Contrariando recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da comunidade científica, Bolsonaro é contra a imposição de medidas de isolamento social, como o fechamento do comércio, apesar de essa estratégia ter sido eficaz no controle da pandemia na maioria dos países. (ANSA)

 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA