Schiaparelli caiu a 300km/h no solo de Marte

MRO conseguiu fotografar o ponto de impacto do equipamento

Sonda da Nasa flagrou local de pouso do Schiaparelli (foto: NASA/ESA)
17:19, 21 OutROMA ZGT

(ANSA) - O módulo Schiaparelli, que deveria ter pousado no solo de Marte no dia 19, caiu a cerca de 300 km/h enquanto fazia o processo de descida no planeta vermelho, informou a Agência Espacial Europeia (ESA) nesta sexta-feira (21).

 

Não está excluída a possibilidade de que o Schiaparelli tenha explodido com a força do impacto - já que estava com os tanques de combustível cheios.

 

Os especialistas conseguiram confirmar que o problema nos propulsores ocorreu entre dois e quatro quilômetros antes do pouso, mas ainda afirmaram que as "informações preliminares" não permitem definir o que causou o problema.

 

De acordo com o comunicado, os restos do equipamento foram fotografados pelo Mars Reconnaissance Orbiter (MRO), da Nasa, durante uma de suas passagens pela área onde o módulo deveria ter pousado. As imagens mostram duas manchas escuras: uma, mais iluminada e definitiva, que é o paraquedas. A outra é mais "escura e confusa", em uma cratera criada pelo impacto, e que está a cinco quilômetros a oeste de onde deveria ocorrer o pouso.

 

 

A missão

 

A missão ExoMars 2016 tem como objetivo buscar sinais de vida do tipo bacteriano no planeta. A operação é realizada sob controle da Agência Especial Europeia (ESA), direto de seu centro em Darmstadt, na Alemanha, e ocorre em conjunto com a agência russa Roscosmos e com grande participação tecnológica da Itália.

 

É a primeira vez que um aparelho espacial europeu atravessa a atmosfera de Marte em uma descida de seis minutos, durante a qual também serão coletados dados sobre o planeta.

 

Em Marte, deveriam ter pousado o módulo Schiaparelli e a sonda Trace Gas Orbiter (TGO), uma espécie de "nave-mãe", enviadas de maneira separada. No entanto, apenas a TGO teve sucesso na descida e está funcionando perfeitamente. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA