Itália apresenta 1º ímã de reator de fusão nuclear

Projeto ITER deve fazer teste experimental em 2025

Primeiro módulo para reator de fusão nuclear
Primeiro módulo para reator de fusão nuclear (foto: ANSA)
15:28, 19 MaiLA SPEZIA ZLR

(ANSA) - Foi confirmado para 2025 o primeiro teste experimental de fusão nuclear com o reator ITER, considerado o maior do mundo e fruto de um projeto envolvendo 35 países.

O International Thermonuclear Experimental Reactor (ITER) está sendo construído no centro de pesquisas de Cadarache, em Saint-Paul-lès-Durance, no sul da França. "Quando iniciamos o projeto, havia um grande entusiasmo e os 35 países tinham colocado um prazo para 2017", contou o diretor da planta, Bernard Bigot.

O primeiro equipamento magnético daquele que é considerado o maior projeto experimental de fusão nuclear do planeta foi apresentado nesta sexta-feira (19), em uma fábrica da empresa ASG Superconductors na cidade de La Spezia, noroeste da Itália.

O ímã tem fabricação italiana e é o mais sofisticado do mundo, medindo 14 metros de altura e nove de largura. Com 300 toneladas, a peça possui o mesmo peso de um Boeing 747 e o formato de uma letra D gigante.

O ITER contará com mais 17 equipamentos magnéticos semelhantes, sendo que outros oito serão produzidos em La Spezia - os nove restantes serão fabricados no Japão. "Estamos muito orgulhosos, nós e todos aqueles que trabalharam para construí-lo. Foram necessários cinco anos para fazer o protótipo", disse o presidente da ASG, Davide Malacalza.

A fusão nuclear é considerada uma espécie de "Santo Graal" da energia limpa e imita o processo que acontece no coração das estrelas, onde átomos de hidrogênio se comprimem e produzem hélio, gerando imensas quantidades de energia.

O projeto ITER nasceu em 1985, por iniciativa dos Estados Unidos e da União Soviética, e mais tarde recebeu a adesão da União Europeia e de países como Índia, China, Japão e Coreia do Sul, totalizando 3,5 mil pesquisadores. Estima-se que a construção do reator custará cerca de US$ 14 bilhões. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA