Após atentados, Facebook restringe transmissões ao vivo

Decisão foi tomada após atentados terroristas na Nova Zelândia

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg
O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg (foto: EPA)
13:36, 15 MaiWASHINGTON ZBF

(ANSA) - O Facebook anunciou que, a partir de hoje (15), passará a limitar a função "Live" para transmissões ao vivo. A decisão foi tomada após os atentados terroristas contra duas mesquitas na Nova Zelândia que foram transmitidos em tempo real ao usuários da rede no dia 15 de março.

Em resposta ao atentado que deixou 51 mortos, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, convocou para hoje, na França, uma cúpula de líderes políticos e executivos de tecnologia para discutir a regulação de mídias sociais.

As limitações do Facebook recairão sobre usuários que violarem regras da rede sociais, inclusive a política de privacidade, indivíduos que sejam considerados "perigosos" ou compartilhem conteúdo inapropriado.

"A partir de hoje, quem violar nossas políticas mais sérias será limitado ao uso da Live por um certo período de tempo, por exemplo, 30 dias, a partir da primeira violação", informou o Facebook em uma nota à qual a ANSA teve acesso.

Até hoje, o Facebook tinha o costume de remover todo o conteúdo que violasse os Padrões da Comunidade, mas não previa punição direta ao autor. Somente em caso de recorrência o usuário ou perfil era suspenso ou banido.

"Alguém que compartilhe um link para uma declaração de grupo terrorista agora será imediatamente impedido de usar o Live por um período determinado", disse o comunicado assinado pelo vice-presidente de Integridade do Facebook, Guy Rosen. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA