'Libra pode afetar soberania monetária', diz G7

Grupo manifestou preocupação com moeda virtual do Facebook

Cúpula dos ministros das Finanças do G7 em Chantilly, na França
Cúpula dos ministros das Finanças do G7 em Chantilly, na França (foto: EPA)
18:52, 18 JulCHANTILLY ZLR

(ANSA) - Os ministros das Finanças do G7, reunidos em Chantilly, na França, lançaram nesta quinta-feira (18) um alerta contra as criptomoedas, especialmente a Libra, criada pelo Facebook.

Representantes dos Estados-membros do grupo - que reúne Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, além da União Europeia - já haviam manifestado individualmente suas preocupações com a iniciativa da maior rede social do planeta.

Agora, no entanto, o G7 lançou uma declaração conjunta questionando o papel das moedas virtuais. "Os ministros e presidentes de bancos centrais estão de acordo em dizer que projetos como a Libra podem ter repercussões sobre a soberania monetária e o funcionamento do sistema monetário internacional", afirma o documento.

A declaração chega exatamente um mês depois de o Facebook ter anunciado a criação de sua própria criptomoeda, que deve estrear no mercado em 2020. Segundo a rede social, já envolvida em diversos escândalos de violação de privacidade, sua moeda digital será mais estável e segura que as outras, como o bitcoin.

A administração da criptodivisa ficará a cargo de uma associação com sede em Genebra, na Suíça, e que inclui gigantes do setor financeiro, como Visa, Mastercard e PayPal, além de empresas de tecnologia, como Uber, Spotify e eBay. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en