Di Maio promete defender empresas contra tarifas dos EUA

Chanceler italiano recebeu o secretário Mike Pompeo em Roma

Mike Pompeo e Luigi Di Maio se reúnem em Roma
Mike Pompeo e Luigi Di Maio se reúnem em Roma (foto: ANSA)
13:15, 02 OutROMA ZLR

(ANSA) - O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, prometeu nesta quarta-feira (2) que o governo usará "todas as suas forças" para defender as empresas do país na guerra comercial travada por Donald Trump.

A declaração foi dada em Roma, durante uma coletiva de imprensa conjunta com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. "Em um momento em que a economia desacelera, nossas empresas devem ter certeza de que não recuaremos ao defendê-las com todas as nossas forças", afirmou Di Maio.

Embora tenha destacado as "relações fundamentais" com os Estados Unidos, o chanceler italiano disse se preocupar com a guerra tarifária. "Temos empresas que vivem de exportação, e nossas companhias precisam poder ter certezas, e uma delas é a relação comercial com os EUA", acrescentou.

A guerra tarifária é um dos principais temas na pauta da viagem de Pompeo pela Itália. Em uma coletiva de imprensa com o primeiro-ministro Giuseppe Conte na última terça (1º), o secretário recebeu até um queijo parmesão de uma jornalista como forma de protesto.

OMC

A possibilidade de sobretaxas alfandegárias ganhou força nesta quarta-feira, após a Organização Mundial do Comércio (OMC) ter autorizado os EUA a aumentarem as tarifas contra US$ 7,5 bilhões em produtos da UE.

A decisão era aguardada havia 15 anos pelos Estados Unidos e é uma reação contra ajudas ao consórcio aeroespacial europeu Airbus - que compete com a americana Boeing - consideradas ilegais pela própria OMC.

O governo Trump já teria pronta uma lista de potenciais alvos, que vão de aviões a vinhos, queijos e outras especialidades gastronômicas. Isso pode abrir uma nova frente na guerra comercial do presidente, cuja disputa tarifária com a China freou o crescimento da economia mundial. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA