Uefa volta a investigar Milan por gasto excessivo

Clube pode ser excluído dos próximos torneios da entidade

Uefa volta a investigar Milan por gasto excessivo
Uefa volta a investigar Milan por gasto excessivo (foto: ANSA)
15:51, 10 AbrMILÃO ZRS

(ANSA) - A Câmara de Investigação da Uefa acusou o Milan nesta quarta-feira (10) de ter descumprido com as regras do "fair play financeiro" da entidade entre os anos de 2016 e 2018. Com isso, o clube italiano poderá ser excluído das próximas competições organizadas pela confederação europeia.

Os dados foram conferidos pela entidade que rege o futebol europeu ao longo da atual temporada, e os resultados já foram mandados para a Câmara de Resolução, que deverá tomar uma decisão sobre o caso.

O balanço financeiro do Milan entre 1º de julho de 2017 e 30 de junho de 2018, quando o clube era gerido pelo chinês Li Yonghong, foi fechado com um vermelho de 126 milhões de euros. A situação foi aprovada em outubro pelo novo proprietário do time, o fundo norte-americano Elliott.

Sob o comando do empresário chinês, o Milan gastou na janela de transferências mais de 200 milhões de euros em novas contratações. A gastança despertou a desconfiança da Uefa, alegando que as operações foram "suspeitas".

Segundo a regulamentação da Uefa, qualquer clube que tenha prejuízos além dos limites permitidos durante um período de três anos pode enfrentar possíveis sanções, e em algumas ocasiões, até a exclusão de campeonatos.

No entanto, a Uefa informou que esta nova investigação não possui nenhuma ligação com a anterior, quando o clube rossonero foi banido dos torneios da entidade em junho de 2018. O Milan, por sua vez, foi readmitido após entrar com um apelo à Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Já em dezembro, a Uefa puniu o Milan em 12 milhões de euros e também afirmou que o clube não poderá inscrever mais de 21 jogadores para participarem de competições da entidade.

Além disso, a confederação continental determinou que o time rossonero tem até o dia 30 de junho de 2021 para corrigir sua situação financeira. Caso contrário, o Milan não poderá disputar nenhuma competição organizada pela a Uefa nas temporadas 2022/2023 e 2023/2024. O clube, por sua vez, também entrou com um recurso no CAS contra as sanções.

O Milan sabia que uma nova investigação seria iniciada e já estava esperando o desenvolvimento do caso. No entanto, a Elliott está comprometida em resolver a situação do clube.

A equipe comandada por Gennaro Gattuso ocupa a quarta colocação do Campeonato Italiano, vaga que garante o Milan na próxima Liga dos Campeões. Com a posição ameaçada por cinco equipes, os rossoneri entrarão em campo neste sábado (13), em Milão, para enfrentar a Lazio, pela 32ª rodada da Série A.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA