'Balotelli é frágil', diz cartola após frase racista

Presidente do Brescia deu sinais de que não conta com o atacante

Massimo Cellino e Mario Balotelli na apresentação do atacante no Brescia
Massimo Cellino e Mario Balotelli na apresentação do atacante no Brescia (foto: ANSA)
20:12, 25 NovBRESCIA ZLR

(ANSA) - O presidente do Brescia, Massimo Cellino, se recusou a pedir desculpas por suas declarações racistas contra Mario Balotelli e ainda disse que o atacante é "mais frágil do que se imaginava".

O centroavante foi afastado recentemente pelo técnico Fabio Grosso e tem futuro incerto no clube da cidade de origem de sua família adotiva. "Se eu pudesse voltar atrás, perguntaria se Balotelli estava realmente convencido de vir a Brescia. A escolha foi mais arriscada do que se pensava, da parte dele e da nossa", disse o cartola à emissora local Teletutto.

Em seguida, emendou que "Balotelli é mais frágil do que se imaginava". "Ele está sentindo um peso maior do que havia avaliado no início", declarou Cellino.

O atacante já foi alvo de imitações de macaco por parte da torcida do Hellas Verona - crime cujos responsáveis ainda não foram punidos - e agora tem de lidar com declarações racistas de seu próprio chefe. Horas antes de chamá-lo de "frágil", Cellino havia dito que Balotelli é "negro", mas está "trabalhando para se clarear".

Segundo o cartola, sua frase foi "instrumentalizada". "Era apenas uma tentativa de desdramatizar. Faço brincadeiras com todos os jogadores", alegou. Balotelli ainda não se pronunciou sobre as declarações do presidente do Brescia. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA