Após 'bronca' de Hamilton, Zanardi se manifesta sobre caso Floyd

Leclerc e Sainz também usaram as redes para falar sobre racismo

Hamilton reclamou que o mundo do automobilismo não se posicionou sobre a morte de George Floyd
Hamilton reclamou que o mundo do automobilismo não se posicionou sobre a morte de George Floyd (foto: ANSA)
11:10, 01 JunSÃO PAULO ZGT

(ANSA) - Após o hexacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, fazer uma postagem em seu Instagram criticando o mundo do automobilismo por não emitir sua opinião sobre o caso George Floyd, o ex-piloto e paraciclista italiano Alessandro Zanardi usou as redes sociais para se posicionar.

"Lewis Hamilton, você está certo. Ficar magoado e totalmente com o coração partido perante o que está acontecendo nos EUA, não é suficiente. Nós deveríamos falar em apoio aos nossos irmãos. Mas o silêncio mais forte é do presidente deles e isso nos deixa a todos com uma assustadora falta de esperança", escreveu o italiano nesta segunda-feira (1º).

Na tarde deste domingo (31/5), Hamilton postou uma dura crítica aos pilotos e equipes por conta do caso do homem negro de 46 anos que foi morto por um policial branco, Derek Chauvin, durante uma abordagem em Minneapolis no dia 22 de maio.

Os quase 10 minutos de imagens gravadas por pessoas que acompanharam a ação mostraram Floyd falando por diversas vezes que não estava conseguindo respirar porque Chauvin estava com o joelho no pescoço dele. Após a divulgação do vídeo, uma onda de protestos explodiu por todo o país, levantando a questão do racismo norte-americano.

"Eu vejo aqueles de vocês que estão calados, alguns de vocês são as maiores estrelas, e ainda assim ficam calados no meio da injustiça. Não há sinal de manifestação de ninguém na minha indústria que, é claro, é um esporte dominado por brancos. Sou um dos únicos negros e estou sozinho. Eu pensava que agora vocês veriam o que está acontecendo e diriam algo sobre isso, mas vocês não podem ficar ao nosso lado. Sei quem vocês são e estou vendo tudo isso", postou em um de seus stories no Instagram.

Desde o início da divulgação do caso, o britânico vem usando suas redes sociais para compartilhar vídeos tanto das mortes de negros por policiais como mensagens postadas por outros expoentes do esporte, como LeBron James. Hamilton, que é o primeiro atleta negro da história da Fórmula 1, também postou vídeos com mensagens de crianças negras, que sofrem com o racismo diariamente.

Horas depois da "bronca" do piloto da Mercedes, alguns pilotos começaram a usar as redes sociais para se posicionar sobre o caso. O primeiro a se manifestar foi o mexicano Sergio Perez, da Racing Point, que publicou uma imagem com a hashtag Vidas Negras Importam.

Na sequência, o piloto da Ferrari, Charles Leclerc, postou uma série de tuítes falando sobre o tema e se dizendo "desconfortável em compartilhar" o que pensava sobre o tema.

"Para ser completamente honesto, me sinto fora do lugar e desconfortável em compartilhar meus pensamentos em redes sociais sobre toda a situação e é por isso que não me expressei antes. E eu estava completamente errado. Ainda tenho dificuldade de encontrar as palavras para descrever a atrocidade de alguns vídeos que vi na Internet. Racismo precisa ser tratado com ações, não silêncio. Por favor, participe ativamente, se envolva e encoraje os outros a espalhar a conscientização. É nossa responsabilidade nos manifestar contra a injustiça. Não fique em silêncio. Estou ao lado do #VidasNegrasImportam", publicou Leclerc.

Outro que usou as redes sociais foi o piloto da McLaren, Lando Norris, que ressaltou que sabe que tem "o poder de usar isso para liderar e inspirar muitos". "Mas, nós também nos manifestamos pelo que é certo. Este é o momento em que peço para que vocês façam algo e ajam. Clique no link e faça a diferença", postou em diferentes redes sociais com um link para fazer doações e petições.

Nesta segunda-feira, também outros dois pilotos se manifestaram publicamente. O australiano Daniel Ricciardo, da Renault, disse que as notícias dos últimos dias o entristeceram e que o que aconteceu com George Floyd "e o que continua a acontecer na sociedade atual é uma desgraça". "Agora, mais do que nunca, temos de permanecer juntos, unidos. Racismo é tóxico e precisa ser tratado não com violência e silêncio, mas com união e ação. Precisamos nos levantar, precisamos ser nós. Sejamos pessoas melhores. É 2020, pelo amor de Deus. Vidas negras importam", publicou.

O futuro piloto da Ferrari, e atual titular de uma das McLaren, Carlos Sainz, também se manifestou. "Esses problemas que estamos enfrentando atualmente em 2020 nos fazem pensar que voltamos no tempo, independente, do sofrimento e das lágrimas dos nossos ancestrais. É uma loucura pensar no que ainda acontece no momento. Nós todos temos o mesmo sangue", postou em uma imagem em suas redes sociais.

Sainz continuou afirmando que "independente do nosso ambiente, somos um esporte global, com trabalhadores e fãs de todo o mundo, com várias experiências, religiões, cores e condições".

"Nós trabalhamos juntos, em grande harmonia, para entreter a todos ao redor do mundo e divulgar uma mensagem de esportividade e unidade. Eu absolutamente condeno todos os tipos de racismo e todos os tipos e injustiça. A diversidade nos empurra para frente, nós abraçamos isso. Tomara que um dia todos façam isso", finalizou. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA