Prefeito de Cortina diz que Mundial de Esqui fez bem para Itália

País encerrou a competição com duas medalhas conquistadas

Mundial de Esqui Alpino aconteceu entre os dias 8 e 21 de fevereiro
Mundial de Esqui Alpino aconteceu entre os dias 8 e 21 de fevereiro (foto: A)
12:59, 22 FevCORTINA D'AMPEZZO ZRS

(ANSA) - O prefeito de Cortina d'Ampezzo, Gianpietro Ghedina, afirmou nesta segunda-feira (22) que a edição de 2021 do Mundial de Esqui Alpino fez bem para a Itália.

O torneio, que aconteceu entre os dias 8 e 21 de fevereiro, foi considerado o primeiro grande evento esportivo global a ser disputado desde que a pandemia do novo coronavírus se espalhou pelo mundo.

"Nestas duas semanas escrevemos uma bela página da nossa história com esporte, emoção, trabalho, esforço e paixão. As imagens de uma magnífica Cortina d'Ampezzo cheia de sol e neve chegaram a todos os cantos do mundo. Mostramos a todos que não há desculpas", celebrou Ghedina.

O político também declarou que a cidade nutriu um sentimento de orgulho e satisfação pela "consciência de ter feito algo de bom pelo país".

Apesar do sucesso do Mundial, Ghedina afirmou que houveram "muitas dificuldades" durante a organização da competição.

"Tivemos muitas dificuldades, mas quem pensava que teríamos um enorme sucesso na impossível tarefa de realizar um Mundial em meio a uma pandemia? O jeito foi administrar todas as situações, até as imprevisíveis, com compostura e sem espetáculos inúteis, porque o único espetáculo foi o esqui alpino", declarou Ghedina.

A Áustria foi a primeira colocada na classificação geral em Cortina d'Ampezzo, com oito medalhas, sendo cinco de ouro, uma de prata e duas de bronze. A Suíça subiu ao pódio nove vezes, mas somou somente três ouros.

A Itália, por sua vez, finalizou o Mundial com uma medalha de ouro, conquistada por Martina Bassino, e uma de prata, com Luca De Aliprandini. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA