Enrico Letta diz que Forconi possui valores opostos

O Premier também falou sobre outro movimento, o Casapound, taxado de anti-semita

Primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta
Primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta (foto: EPA)
15:51, 15 DezROMA ZCC

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, declarou hoje, 15, que o Movimento dos Forconi possui "valores opostos aos nossos". A afirmação foi feita durante assembléia do Partido Democrata (PD), em Milão. O premier pediu que o movimento respeite os valores "que procuramos instaurar aqui na Itália". "Sabemos que se estes protestos chamaram atenção é porque há algum desconforto", declarou Letta sobre os protestos do Movimento dos Forconi vem organizando. A organização tem promovido atos em várias regiões da Itália e vem acumulando proporções. Inicialmente formado por agricultores, pastores e lavradores italianos da região da Sicília para protestar contra o cenário político atual e os impostos do setor, se difundiu pelo país e ganhou seguidores de outras áreas, como operários e comerciantes.
    O primeiro-ministro também se manifestou a respeito de outro grupo, o Casapound. "O anti-semitismo é uma das maiores batalhas que devemos levar a diante. Está claro que com aqueles do Casa Pound não há nada que possamos fazer", declarou Letta durante a assembléia. "Descobrimos pelo primeiro-ministro Enrico Letta que o Casapound é o líder das manifestações de 9 de dezembro, uma manifestação 'anti-semita'. A tentativa do governo é clara: desacreditar uma mobilização popular, demonizar um protesto", declarou Gianluca Iannone, líder do movimento de extrema direita e considerado por alguns neofascista, Casapound. Ontem, 14, o vice-presidente do Casapound, Simone Di Stefano, foi preso durante uma manifestação acusado de roubo. Ele tentou substituir uma bandeira da União Europeia na sede do bloco em Roma por uma da Itália. Gianluca Iannone declarou em nota que considera a prisão "surreal" e que Stefano foi escolhido como "bode expiatório". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en