Protesto de trabalhadores reúne 1 milhão em Roma

Premier italiano prometeu governar apenas por dois mandatos

A manifestação tem como tema central a reforma trabalhista proposta pelo primeiro-ministro (foto: ANSA)
13:05, 26 OutROMA ZBF

(ANSA) - Um protesto de trabalhadores em Roma reuniu neste sábado (25) um milhão de pessoas, de acordo com estimativas dos organizadores, a Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL).
    A manifestação tem como tema central a reforma trabalhista proposta pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi, a qual leva o nome de "Jobs Act". Com o slogan "Trabalho, Dignidade e Igualdade para mudar a Itália", o protesto conta com a presença da secretária-geral da CGIL, Susanna Camusso, que ameaça convocar uma greve geral.
    "Estamos prontos para seguir adiante com os protestos para mudar a política do governo, inclusive através de uma greve geral", disse Camusso.
    A reforma de Renzi tem como objetivo flexibilizar o mercado de trabalho e incentivar as empresas a contratarem. No entanto, os críticos da proposta dizem que o premier quer tirar direitos dos trabalhadores. As discussões recaem, especificamente, sobre as mudanças no artigo 18 do Estatuto dos Trabalhadores, que regula as demissões sem justa causa.
    O projeto estava enfrentando resistência até mesmo dentro do Partido Democrático (PD), liderado por Renzi. Esses críticos do PD também marcharam por Roma ao lado dos manifestantes neste sábado.
    Enquanto isso, a cúpula do PD participava de uma convenção política em Florença, com Renzi, para debater propostas políticas. O evento, que leva o nome de "Leopolda5", pois está na quinta edição, começou ontem (24), com o slogan "O futuro é só o início". Em seu discurso na convenção, Renzi prometeu que governará a Itália por apenas dois mandatos. "No máximo, chegarei até 2023".
    Renzi assumiu o governo italiano em fevereiro de 2014, com a promessa de realizar mudanças no país em um prazo de mil dias.
    Ele já propôs reformas em diversos setores, porém, tem encontrado resistência em algumas áreas. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA