Expo Milão e o Brasil

Expo Milão 2015 será uma extraordinária oportunidade

Projeto do pavilhão do Brasil na Expo 2015
Projeto do pavilhão do Brasil na Expo 2015 (foto: Ansa/Divulgação)
12:02, 30 AbrSÃO PAULO Raffaele Trombetta

(ANSA) - Quando este jornal chegar ao leitor, faltarão poucas horas para o início da Exposição Universal que a Itália hospeda em Milão de 1º de maio até 31 de outubro de 2015.

 

O fio condutor da Expo Milão 2015 será "Alimentar o Planeta, Energia para a Vida", tema este que a Itália escolheu para ressaltar o próprio compromisso no campo da sustentabilidade ambiental e da segurança dos alimentos. Da capacidade da comunidade internacional de enfrentar esses desafios globais dependerá o destino do planeta.

 

É com essa convicção que a Itália resolveu tornar a Expo um lugar de encontro das melhores práticas científicas e das tradições culturais dos 145 Estados participantes, chamados a fornecer eficazes respostas aos temas escolhidos.

 

A Expo Milão 2015 será, portanto, uma extraordinária oportunidade de colaboração entre os países, mas também um momento de interação entre a comunidade científica e o mundo produtivo, com a plena consciência de que os resultados da pesquisa devam proporcionar um valor agregado às empresas, principalmente para aquelas que operam nos setores da indústria alimentícia e das energias renováveis.

 

Para favorecer esse virtuoso intercâmbio entre conhecimento e economia, a Itália construiu uma estrutura de mais de um milhão de metros quadrados que fica próxima à cidade de Milão para este evento.

 

Muitos desses países estarão presentes com pavilhões nacionais, com o objetivo de assegurar a maior visibilidade do que de melhor essas nações podem oferecer à comunidade internacional.

 

Nesta edição da Expo Milão, o Brasil ocupa um lugar de grande destaque, com o quarto maior pavilhão em tamanho dentre os 53 que, nesta sexta-feira (1º), abrem as portas para cerca de 20 milhões de visitantes de todo o mundo.

 

Além disso, as diversas temáticas ligadas à alimentação e à sustentabilidade se integram perfeitamente aos grandes progressos alcançados pelo Brasil no campo da segurança alimentar, e com o alto nível atingido pela agroindústria.

 

Progressos que tornaram o Brasil o primeiro produtor e exportador mundial de commodities agrícolas e de produtos derivados: café, açúcar, soja, etanol e suco de laranja.

 

O trabalho desenvolvido pelo Brasil no campo da alimentação é, portanto, bem representado pela frase "Alimentando o mundo com soluções", escolhida como título do pavilhão brasileiro, destinado a construir uma vitrine da experiência única que o país possui no combate à fome e à marginalização social.

 

A Expo poderá deixar para o mundo uma herança sobre os temas da alimentação e utilização sustentável de recursos. É com essa aspiração que a Itália prepara a inauguração do evento: juntar a organização de um lugar de encontro também à realização de uma herança imaterial para o futuro.

 

Sob essa ótica, a Itália está concebendo a "Carta de Milão", documento que recolhe as propostas de vários protagonistas, como instituições, empresas e sociedade civil sobre alimentação e desenvolvimento sustentável.

 

A carta será apresentada por ocasião do Fórum dos Ministros da Agricultura em 4 e 5 de junho e entregue ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. A Itália e a cidade de Milão se abrem para o mundo e estão prontas para acolher também os visitantes brasileiros que aproveitarão esta ocasião para visitar em grande número o "Bel Paese", a Itália.

 

Raffaele Trombetta, embaixador da Itália no Brasil

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA