Câmara aprova contratação de 100 mil professores

Medida faz parte de reforma educacional do premier Matteo Renzi

Enquanto a Câmara votava, simpatizantes do Movimento 5 Estrelas protestavam contra a reforma educacional de Renzi (foto: ANSA)
08:34, 20 MaiROMA ZLR

(ANSA) - A Câmara dos Deputados da Itália aprovou nesta terça-feira (19) o artigo 10 da reforma educacional do primeiro-ministro Matteo Renzi, que prevê um plano extraordinário de contratação por tempo indeterminado de professores em situação precária, ou seja, sem emprego garantido para o ano letivo seguinte, a partir de 1º de setembro.
    A medida recebeu 263 votos a favor e 122 contra, além de 25 abstenções. Ao todo, serão admitidos cerca de 100 mil docentes dos ensinos primário e secundário, embora o Ministério da Educação tenha 15 dias a partir da entrada em vigor da lei para divulgar o número exato.
    Com a votação de todas as emendas à reforma, o texto final do projeto será apreciado pela Câmara nesta quarta-feira (20), antes de seguir para o Senado. Entre outras coisas, a iniciativa introduz disciplinas opcionais no ensino médio e reforça a autonomia das escolas, dando maior liberdade aos dirigentes na gestão dos edifícios, da didática, dos projetos de formação e dos recursos à disposição de cada colégio.
    Além disso, a reforma concede 500 euros anuais para professores da rede pública gastarem com sua própria formação, seja com livros, softwares, cursos ou até concertos. A partir de 2016, também serão destinados 200 milhões de euros em bônus para docentes que tiverem um bom desempenho. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA