Criticada, ministra italiana faz desafio à oposição

Maria Elena Boschi é acusada de 'conflito de interesses'

Maria Elena Boschi defendeu-se de acusações e desafiou oposição (foto: ANSA)
16:57, 18 DezROMA ZGT

(ANSA) - A ministra italiana das Reformas e das Relações com o Parlamento, Maria Elena Boschi, defendeu-se nesta sexta-feira (18) do pedido para sua destituição, que foi apresentado à Câmara dos Deputados pelo partido de oposição Movimento Cinco Estrelas (M5S).

 

A moção tem como base um "conflito de interesses" porque o pai da ministra, Pier Luigi, foi vice-presidente do Banco Popular da Etruria nos oito meses que antecederam a liquidação, por parte do governo, da instituição bancária.

 

"Se a minha família estiver envolvida, eu me demito. Se o meu pai errou, ele precisa pagar por isso. Sou orgulhosa de fazer parte de um governo que tem um conceito muito simples: quem erra deve pagar, quem quer que seja", disse sob aplausos do Partido Democrático (PD), a sigla governista.

 

Abrindo as contas de sua família, Boschi mostrou que nenhum deles conseguiu ter vantagem financeira com a quebra da entidade e que, após o fechamento das instituições, eles também ficaram com prejuízos. Desafiando os opositores, a ministra pediu provas de que ela tenha favorecido alguém "seja familiar ou amigo" e disse que o fato ser jovem pode atrair "inveja" de certos "colegas".

 

"Ser ministra aos 34 anos pode atiçar a inveja e as más línguas, mas isso não me dá medo porque conto com o afeto de colegas e amigos. Desafio quem apresenta essa moção de desconfiança. Não permito que coloquem em discussão minha honestidade. Como ministra, sempre fui parte das instituições e jamais favoreci amigos ou meus interesses", finalizou.

 

Na votação que ocorreu após o discurso da ministra, 129 deputados foram a favor e 373 foram contra a destituição de Boschi do cargo.

 

Assim como Boschi, o primeiro-ministro Matteo Renzi também é alvo de uma ação de voto de desconfiança, que pode derrubar todo o governo italiano. Além da liquidação do Etruria e de outros três bancos populares, os deputados abriram a moção após a imprensa revelar que o idoso Luigino D'Angelo, 68 anos, suicidou-se por perder 100 mil euros em investimentos no banco.

 

A sessão para votar a desconfiança foi marcada para o dia 15 de janeiro na Câmara e, no mesmo dia, será apresentada ao Senado. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA