Roma permite adoção por casal de lésbicas

Adoção gay está fora de discussão no Parlamento italiano

Casal de lésbicas pode fazer adoção cruzada de duas crianças
Casal de lésbicas pode fazer adoção cruzada de duas crianças (foto: ANSA)
09:47, 02 MarROMA

(ANSA) - A Justiça de Roma reconheceu a adoção de duas crianças, de quatro e oito anos, por um casal de lésbicas no regime de adoção cruzada, quando um parceiro adota o filho do outro.

 

Representantes das ONG's "Famiglie Arcobaleno" ("Família Arco-íris") e Rete Lenford, que lutam pelos direitos homossexuais no país, disseram que se trata da primeira decisão do tipo na Itália.

 

Uma das meninas é filha biológica de uma das mães enquanto a outra foi concebida pela parceira graças a um processo de inseminação artificial realizado na Dinamarca. As crianças terão o mesmo sobrenome, mas não serão consideradas irmãs.

 

O Conselho de Menores da capital italiana reconheceu os direitos das duas mulheres de adotar as crianças citando o princípio de "adoções em casos particulares".

 

A advogada do casal, Francesca Quarato, ligada às ONG's, disse que a Justiça de Roma levou em consideração apenas os interesses das crianças ao tomar a decisão. A presidente da Rete Lenford, Maria Grazia Sangalli, destacou que "atualmente, na falta de uma norma sobre a adoção por casais formados por pessoas do mesmo sexo, o caminho para a adoção só é possível através da interpretação dos regulamentos em vigor em um sentido amplo e evolutivo".

 

A decisão foi tomada justamente no momento em que a Itália aproou o projeto de lei que permite a união civil entre homossexuais.

 

O projeto inicial equiparava esse tipo de união ao matrimônio e estendia o direito da adoção de enteado aos casais gays, mas estes dois pontos foram derrubados após forte pressão de grupos cristãos da sociedade civil e do próprio Parlamento. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA