Da ascensão à queda: a meteórica carreira de Matteo Renzi

Em quatro anos, ex-premier chegou ao auge e despencou

Em quatro anos, ex-premier chegou ao auge e despencou
Em quatro anos, ex-premier chegou ao auge e despencou (foto: ANSA)
16:08, 05 MarROMA ZLR

(ANSA) - Primeiro-ministro mais jovem na história da Itália, Matteo Renzi mostrou que seu ímpeto e agressividade são capazes de vitórias maiúsculas, mas também de levá-lo a derrotas contundentes, como a do último domingo (4), quando menos de 20% dos italianos votaram em sua legenda, o Partido Democrático (PD), nas eleições legislativas de 2018.

Nascido em Florença, no dia 11 de janeiro de 1975, Renzi é formado em direito e alcançou o sucesso na vida pública prometendo lutar contra a classe política tradicional, o que lhe rendeu o apelido de "rottamatore", ou "reciclador".

Logo em sua primeira eleição, em 2004, conquistou a presidência da província de Florença, cargo que exerceu até 2009, quando foi eleito prefeito da capital da Toscana. No comando de uma das cidades mais célebres da Itália, ganhou projeção nacional e chegou a ser escolhido o "prefeito mais amado do país".

A administração bem avaliada lhe deu força para disputar a liderança do PD, principal sigla de centro-esquerda na península, em 2012, mas ele acabou derrotado pelo então secretário da legenda, Pier Luigi Bersani. Apesar disso, Renzi continuou fortalecendo seu movimento de "reciclagem" e, nas primárias do ano seguinte, foi eleito para comandar o PD com 67,5% dos votos.

Na época, o primeiro-ministro da Itália era seu correligionário Enrico Letta, cujo governo patinava nas chantagens de Silvio Berlusconi. Acusando o colega de não acelerar as reformas necessárias ao país, articulou para o partido retirar seu apoio ao premier e o derrubou. Como consequência, o então presidente Giorgio Napolitano o convocou para formar um novo governo, que tomou posse em fevereiro de 2014.

Renzi tinha 39 anos, tornando-se o mais jovem premier na história da Itália. De lá para cá, aprovou uma série de reformas, como a trabalhista, a da lei eleitoral (depois alterada) e a educacional, apesar do Parlamento fragmentado. Mas não foi sem polêmicas.

Em seu percurso, o primeiro-ministro se aliou a Berlusconi e depois o dispensou, brigou com a ala mais à esquerda do PD, desafiou sindicatos e blindou quase todos os seus projetos de lei com o voto de confiança para barrar uma avalanche de emendas que poderia levar a discussões infindáveis no Congresso.

Criticado pela agressividade e acusado de atropelar os trabalhos do Parlamento, Renzi sempre se defendeu com o argumento de que a Itália precisava sair do pântano o mais rapidamente possível e não podia perder anos e anos discutindo uma lei. Foi essa postura que usou para garantir a aprovação da reforma constitucional, o ponto de virada em sua trajetória.

O projeto passou pelo Congresso, mas as feridas ficaram. Confiante na vitória, Renzi convocou um referendo para garantir o apoio popular à reforma, porém a oposição aproveitou para mostrar à enorme parcela de descontentes com a lenta recuperação do país que a consulta popular era uma oportunidade de derrubar o governo.

O discurso colou e impôs ao premier uma dura derrota e o início de sua derrocada. Renzi passou 2017 tentando forçar a antecipação das eleições, talvez prevendo que seu capital eleitoral podia ser corroído rapidamente, mas parou no presidente Sergio Mattarella, que bancou o "fim natural" da legislatura, em 2018.

O ano fora do governo foi fatal para Renzi. Com menos holofotes, viu seu sucessor, Paolo Gentiloni, se tornar um líder admirado pela discrição e pela moderação; enfrentou batalhas internas no PD que geraram diversas dissidências; perdeu apoio para liderar as forças antipopulistas na Itália.

Com apenas 43 anos, o florentino de improvisos e frases de efeito, ao mesmo tempo arrojado e pragmático, caiu com a mesma velocidade com que atingira o auge na política. Agora, com apenas 20% de apoio, terá de recomeçar, como ele mesmo disse, como um "simples senador". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA